quarta, 20 de novembro de 2019
Protesto
Compartilhar:

Carteiros fazem protesto contra o fechamento de agências em JP

Edson Verber / 29 de maio de 2019
Foto: ASSUERO LIMA
Com o apoio de populares, que chegavam ao local para colocar correspondências e receber encomendas, os trabalhadores dos Correios protestaram, nessa terça-feira (29) pela manhã, contra o fechamento de duas agências dos Correios em João Pessoa. O protesto, com um café da manhã, ocorreu na frente da agência Monteiro da Franca, na avenida de mesmo nome, em Manaíra, uma das que poderá ser fechada a partir do dia cinco de julho. A outra será a Agência Filatélica, no Centro da Capital.

Um dos que apoiou o protesto, o professor aposentado da Universidade Federal da Paraíba, Campus de João Pessoa, Hélio Galiza, falou ser contrário o possível fechamento dizendo que “é triste, porque sabemos que o Correio é um órgão seríssimo, que já foi de padrão mundial, não foi somente nacional. E agora querem acabar, através de uma terceirização, desvalorizando, demitindo funcionários e fechando agências”.

E tudo isso - concluiu o professor de Educação Física, que também foi árbitro de futebol - “é pra chegar ao objetivo final de privatizar a ECT, de acordo com a política neoliberal, diminuindo o tamanho do Estado brasileiro, fato que somente prejudica a maioria da população. E nesse processo, como dizem as pessoas do povo, sempre tem alguém interessado porque come toco, ou como dizem também, propinas.”

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios da Paraíba, Tony Sérgio Rodrigues Cavalcante, disse que “essa agência é importante para toda comunidade, para todo bairro, para todos os moradores do entorno de Manaíra. Pois, além dos vários serviços que presta, também é agregadora da comunidade nos projetos sociais desenvolvidos em favor dos mais carentes, como a campanha Papai Noel dos Correios, que ocorre aqui e a agência arrecada e distribui donativos”.

O fechamento de uma agência como essa, prosseguiu, “com a saída dos carteiros, com a retirada dos investimentos, impede que os Correios cumpram o seu papel constitucional, que é de integrar o País, através da logística. Por exemplo, quando acontece uma calamidade pública, através de uma enchente, o Correio arrecada donativos em todo País, para atender os brasileiros que sofreram o impacto. Então, chamamos a população para se incorporar nessa luta.”

Monopólio. Concluiu destacando que “nos países desenvolvidos também tem empresas privadas atuando junto aos Correios, assim como no Brasil, onde os Correios não são monopólio. É monopólio somente em cartas, correspondências agrupadas e telegramas. Mas, por exemplo, em logística, tem concorrência normal como tem nos EUA. Mas, aqui, infelizmente, o que o Governo Neoliberal quer é entregar tudo às empresas privadas, inclusive, estrangeiras. Para tanto, faz um processo de readequação da rede de atendimento dos Correios, desde 2018 e, até o dia 5 de julho, a empresa fechará 161 agências em todo o país, incluindo as duas paraibanas em questão.”

Relacionadas