quinta, 21 de janeiro de 2021

Política
Compartilhar:

Voto de aplauso a Galdino gera confusão e bate-boca na Assembleia Legislativa

Mislene Santos / 13 de abril de 2016
Foto: Mislene Santos
Um requerimento de voto de aplauso ao presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino (PSB), gerou tumulto e bate-boca entre deputados na sessão desta quarta-feira (13). A propositura foi de Hervázio Bezerra, também do PSB.  A justificativa? Pela coragem de enfrentar as ‘oligarquias políticas de Campina Grande’ e se colocar como pré-candidato a prefeito do município.

Contudo, no momento em que seria aberta a votação para esse e outros requerimentos não havia quórum suficiente, o que irritou alguns deputados que tinham proposituras a serem apreciadas em plenário.

Jeová Campos (PSB) queria que um requerimento de sua autoria fosse votado, mas não tinha quórum no plenário. Então, ele acusou a bancada de oposição deixar o plenário e prejudicar a votação das matérias que estavam na pauta.

O deputado Raniery Paulino saiu em defesa da bancada de oposição e afirmou que o quórum tinha sido quebrado pela bancada de situação. “Não aceito chilique de seu ninguém. Sou da bancada de oposição e estou aqui para votar o seu requerimento. A sua bancada se ausentou também. Temos que apontar para os ausentes, independente de bancada, porque aí seria injusto, mas talvez para proteger os colegas, talvez para não constranger os colegas que são da Mesa, o alvo mais fácil vira a bancada de oposição e isso eu não aceito e minha indignação é nesse sentido”, bradou o peemedebista.

Raniery disse ainda que, no mérito da discussão, Jeová Campos estava coberto de razão, porém criticou mais uma vez o socialista. “Vossa Excelência foi injusto e leviano em dizer que a culpa foi da oposição”, disparou o parlamentar.

Jeová não gostou das criticas de Raniery Paulino e se defendeu dizendo que tinha atribuído ao deputado Bruno Cunha Lima (PSDB) a quebra do quórum da sessão. “Não chamei nenhum deputado de leviano, nem de injusto e nem de chiliqueiro. Eu quero dizer que estou triste com Vossa Excelência. O senhor está com desgosto da sua vida Vossa Excelência quer transmitir para mim. Eu solicito que as expressões leviano e chiliqueiro sejam riscadas da ata da sessão de hoje”, afirmou o Jeová Campos.

Para evitar que os se exaltassem ainda mais, o deputado Anísio Maia (PT) solicitou que a sessão foi encerrada. “Essas discussão não será frutífera, então seria interessante encerrar a sessão”, disse ao deputado Nabor Wanderley que presidia a sessão no momento do bate boca.  A sessão foi encerrada, mas a contenda continuou. Com dedo em riste, Jeová Campos se dirigiu a Raniery Paulino reclamando do seu posicionamento para com ele e deixou a Casa em seguida.

Relacionadas