quarta, 20 de janeiro de 2021

Política
Compartilhar:

Tovar e Bruno farão rodízio na liderança da oposição

Gabriel Botto / 01 de fevereiro de 2017
Foto: Divulgação
Os deputados Tovar Correia Lima e Bruno Cunha Lima, ambos do PSDB, farão um rodízio na liderança da bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba. Este ano, Tovar comandará o grupo passando o comando para Bruno em 2018. A reunião que definiu essa composição aconteceu, nesta quarta-feira (01), em um hotel da orla de João Pessoa. Daniella Ribeiro (PP) também havia sido indicada, mas ficou acordado que os tucanos comandarão a partir de agora.

“Agradeço a todos os membros da bancada pelo companheirismo, principalmente daqueles que abriram mão de suas candidaturas para que eu fosse escolhido como líder. Sabemos que é uma tarefa difícil, mas irei atuar com esmero, sempre agindo em nome do grupo para que as decisões e os posicionamentos da bancada tenham o espaço e reverberem na Assembleia Legislativa”, destacou o deputado tucano.

Tovar disse que agirá em nome do grupo de oposição, buscando que as posições colocadas pela bancada tenham o espaço devido na Assembleia.  "O discurso da bancada esquentará na medida em que a população sentir que o governo de Ricardo foi o que mais aumentou impostos na história da Paraíba, e isso reflete diretamente no bolso dos paraibanos, e esse clamor da população com certeza entrará em discurso na ALPB", enfatizou.

Tovar Correia Lima vai liderar o bloco de oposição que conta com 11 parlamentares: Arnaldo Monteiro (PSC), Bruno Cunha Lima (PSDB), Camila Toscano (PSDB), Daniella Ribeiro (PP), Guilherme Almeida (PSC), Janduhy Carneiro (PTN), Jutay Meneses (PRB), Raniery Paulino (PMDB), Renato Gadelha (PSC), Ricardo Marcelo (PMDB), além do próprio Tovar.


Posse de Gervásio

Sobre a posse de Gervásio Maia para a presidência da Casa de Epitácio Pessoa, Tovar destacou que não há tantas mudanças para a gestão passada, visto que Galdino e Maia são do mesmo partido, o PSB, aliados do Governador Ricardo Coutinho. Porém,  disse que a gestão de Gervásio pode ser diferente, pois o nome do novo presidente é cotado para as eleições de 2018.

"A gestão de Gervásio Maia será bem aceita, sempre respeitando o regimento interno da Casa e a total liberdade a seus pares na condução dos trabalhos. A grande questão é que o nome dele é cotado para o Governo em 2018, o que talvez prejudique o andamento dos trabalhos na Assembleia", disse Tovar.

Relacionadas