terça, 12 de dezembro de 2017
Política
Compartilhar:

Secretário esconde o jogo sobre aumento salarial e diz que decisão sairá no fim do ano

Francisco Varela Neto / 16 de outubro de 2017
Foto: Arquivo
O Secretário Estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão, Waldson de Sousa, garantiu que as obras da Perimetral Sul, que vai beneficiar mais de 300 mil pessoas, com recursos próprios do Governo do Estado, serão terminadas no prazo de fevereiro do próximo ano, como foi posto pelo governador do Estado Ricardo Coutinho (PSB). As obras foram retomadas nesta segunda-feira (16). Sobre o aumento salarial do servidor previsto para acontecer sempre em janeiro de cada ano, o gestor escondeu o jogo e disse que a decisão só sai no fim do ano. Veja no vídeo abaixo.

"O prazo para conclusão é fevereiro de 2018, a gente já tratou isso com o (Departamento de Estradas e Rodagem) DER. E toda obra que está em execução hoje ela tem o recurso assegurado. O governo está organizado para isso. Ninguém dá ordem de serviço sem que a gente dê a garantia ao governador de que os recursos estejam disponíveis e o orçamento esteja assegurado para aquela situação, e não há duvida da conclusão desta obra no prazo", disse o secretário.

Na última quarta-feira (11), a Prefeitura Municipal de João Pessoa embargou as obras da Perimetral Sul. O embargo da obra, de responsabilidade do Governo do Estado, foi comunicado à empresa executora na quarta-feira, pelos fiscais da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Semam). No mesmo dia, o ato foi revogado. Segundo Waldson Sousa, o embargo assustou o governo do estado e o problema não poderia ter sido conduzido desta forma.

"É um fato que nos assustou na última quarta feira, o embargo desta obra, na verdade sem a confirmação técnica necessária para se fazer. É uma obra de importância imensa e a gente tem naquela obras muitos recursos investidos e uma cobrança da população e o prazo para término daquela obra é fevereiro de 2018. Eu não quero acreditar que isso seja orientação política, mas é o que pareceu. Este problema não poderia ter sido conduzido desta forma", afirmou Waldson.


Relacionadas