sábado, 26 de maio de 2018
Política
Compartilhar:

Ricardo decide que posse de Aníbal será nesta quinta

André Gomes e Adriana Rodrigues / 16 de agosto de 2017
Foto: Divulgação
O governador Ricardo Coutinho (PSB) entrou de cabeça nas articulações para que o suplente de deputado, Aníbal Marcolino (PSD), assuma uma das 36 cadeiras da Assembleia Legislativa da Paraíba. Nesta quarta-feira (16), o socialista reuniu o presidente do Poder Legislativo, Gervásio Maia (PSB), e os parlamentares Jullys Roberto (PMDB) e o próprio Aníbal para acertar a posse que acontece nesta quinta-feira (17).

Colocando Aníbal na Assembleia Legislativa, o governador consegue calar um dos seus principais críticos da vida pública. O suplente vinha acertando seu ingresso no Poder Legislativo pela bancada de oposição, mas nenhum parlamentar aceitou se afastar das atividades para abrir a vaga.

Nessa condição, Aníbal Marcolino aceitou a proposta feita pelo governador Ricardo Coutinho para retornar a Casa por quatro meses, período de afastamento do deputado Jullys Roberto que também era suplente, mas foi agraciado com um mandato com a eleição dos deputados José Aldemir e Dinaldinho Wanderley, como prefeitos de Cajazeiras e Patos, respectivamente.

De acordo com Aníbal Marcolino, a posse ocorrerá no turno da manhã, no gabinete do presidente da Casa, Gervásio Maia (PSB). Segundo ele, os questionamentos por parte do CRM-PB já foram sido resolvidos.

“Esta tudo resolvido.  A partir de amanhã (quinta-feira) a dor de cabeça da Prefeitura de João Pessoa vai aumentar com minha chegada na Assembleia Legislativa, onde passarei a fazer parte e seguir a orientação da bancada do governador Ricardo Coutinho”, declarou.

O presidente do CRM-PB, João Medeiros, disse que a sindicância será levada adiante para apurar a responsabilidade do médico que emitiu o laudo para licença de forma indevida. “O próprio parlamentar declarou que iria se submeter a um tratamento de saúde para acomodar o seu suplente. Não podemos impedir a manobra política, mas não podemos permitir que um médico conceda um atestado com indícios de irregularidades”, declarou.

Relacionadas