domingo, 16 de maio de 2021

Política
Compartilhar:

PT volta atrás de exigências para apoiar o PSB, mas pede apoio a Lula

Alexandre Kito / 30 de junho de 2018
O presidente estadual do PT na Paraíba, Jackson Macêdo (PT), voltou atrás das exigências feitas ao PSB para oficializar a aliança para as eleições deste ano e garantiu que a única ação necessária para que os petistas possam apoiar o pré-candidato João Azevedo (PSB) é confirmar o apoio à candidatura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) para presidente.

Inicialmente, a Executiva Estadual do PT estava exigindo que os socialistas não aceitassem o apoio de partidos e políticos que votaram a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), como foi o caso do deputado Veneziano Vital do Rêgo, que vai disputar uma das vagas para senador. Em seguida, eles acrescentaram mais uma exigência e afirmaram que a aliança com o PSB no estado somente ocorreria caso os petistas tivessem a garantia de uma vaga na chapa majoritária. Eles queriam especificamente uma das vagas para disputar o Senado.

Após reunião com a Executiva Nacional do PT, segundo Jackson Macêdo, os petistas definiram que vão acatar todas as definições dos socialistas, mas não vão abrir mão do apoio a candidatura de Lula. "Não temos mais nenhum condicionante. Esse debate de presença na chapa majoritária, ou outros nomes que vão estar na chapa são um debate menor, se torna secundário nesse momento. O mais importante é o palanque do presidente Lula. João Azevedo reafirmando seu apoio, estaremos juntos com ele”, afirmou Jackson Macêdo.

Como garantia da necessidade de marchar junto a João Azevedo, o presidente petista ainda destacou que também apóia a candidatura de Veneziano. “Também com Veneziano, no qual particularmente vou votar para o Senado. Desde que todos estejam sintonizados com o projeto nacional, que é Lula. Conversei com a Direção Nacional do meu partido e a partir de agora é nessa linha. Contamos com o PSB da Paraíba”, explicou.

O presidente Estadual do PSB, Edvaldo Rosas reafirmou a importância do apoio do PT, mas disse que esse condicionamento só será discutido no início de agosto, após definição da Executiva Nacional Socialista sobre apoio à candidatura de presidente da República. "É um apoio importante que acontece desde 1989. Um partido grande, mas essa discussão do apoio a Lula tem que ser feita mais para frente, pois no dia 4 de agosto teremos a convenção nacional do PSB, que é onde vamos discutir o apoio presidencial. Então teremos tempo e lá definiremos quais os rumos que o PSB vai tomar", disse o presidente.

O problema é o possível apoio do PSB ao PDT, mais especificamente à pré-candidatura do presidenciável Ciro Gomes, que pode vir a atrapalhar a oficialização da aliança entre PSB e PT na Paraíba.

Relacionadas