domingo, 19 de novembro de 2017
Política
Compartilhar:

PSDB e PMDB podem se aliar em Campina Grande

Mislene Santos / 08 de abril de 2016
Foto: Ilustração
Depois de 18 anos de um racha político ocorrido dentro do PMDB, que fez surgir o PSDB na Paraíba, os dois partidos - até então adversários ferrenhos - podem marchar juntos nas eleições municipais de outubro, em Campina Grande, e selar uma aliança em 2018, quando será escolhido o novo governador do Estado. A informação foi passada ao Correio Online pelo vice-prefeito de Campina Grande e irmão do senador Cássio Cunha Lima, Ronaldo Cunha Lima Filho (PSDB).

Ronaldinho informou que os integrantes dos dois partidos mantêm uma relação de cordialidade e amizade há algum tempo. “Onde existe uma relação de amizade não existem barreiras”, disse o tucano.  Ele explicou que as divergências com o presidente estadual do PMDB, senador José Maranhão, foram superadas há bastante tempo. “Tanto é que os dois sobrinhos dele (Olenka e Benjamin Maranhão) votam e fizeram campanha para Cássio em 2014”, lembrou.

De acordo com Ronaldinho a aproximação do PSDB e PMDB no cenário nacional abre os caminhos para uma possível união em 2018 na disputa pelo governo do Estado.  “O PSDB e PMDB estão convergindo e pode haver uma composição em 2018, mas afirmar que isso acontecerá é prematuro”, ponderou.

Sobre a disputa pela prefeitura de Campina Grande, Ronaldinho destacou que nada impede que, em um eventual segundo turno em sem o confronto direto entre o PSDB - que tem o prefeito Romero Rodrigo como pré-candidato à reeleição - e o PMDB - que tem Veneziano Vital do Rêgo como pré-candidato a prefeito -, os dois partidos venham a se unir. “O que não vejo em curto prazo é uma aproximação com o PSB, pois já apoiamos o governo e rompemos por não concordar com as práticas políticas que ele adota”, justificou o vice-prefeito.

Relação de amizade

Ronaldo Filho informou que as divergências entre o seu pai, Ronaldo Cunha Lima (falecido) e o senador José Maranhão estava na eminência de serem resolvidas e um encontro entre os dois já estava agendado e só não aconteceu devido ao agravamento do estado de saúde de Ronaldo. “Essa questão com Maranhão já foi superada há muito tempo, hoje temos uma relação de amizade e cordialidade”, afirmou.

A relação com a família Vital do Rêgo, que polariza a disputa política em Campina Grande segue no mesmo caminho. “Veneziano é meu amigo. O mesmo sentimento temos pelo hoje ministro Vital do Rêgo Filho”, destacou Ronaldinho.

Relacionadas