terça, 29 de setembro de 2020

Política
Compartilhar:

Procurador-chefe do MPF/PB alerta sobre perigo da anistia ao ‘caixa 2’

Rammom Monte / 28 de novembro de 2016
O Procurador-chefe do Ministério Público Federal na Paraíba, Rodolfo Alves da Silva, alertou sobre o “perigo” de uma possível aprovação da emenda que anistiaria aqueles que praticaram o caixa 2. A afirmação foi dada nesta segunda-feira (28) no programa Correio Debate, da rádio 98 FM/Correio Sat.

Ele explicou que o caixa 2 em si não é tipificado como crime, mas que a prática pode incorrer em outros crimes, como falsidade ideológica, corrupção ativa/passiva, formação de quadrilha, entre outros. E é exatamente sobre este ponto que o procurador alerta. Segundo ele, uma possível anistia, iria abranger todos estes crimes.

“Esta emenda não objetiva anistiar o caixa 2, ela objetiva anistiar todos estes outros crimes. Se aprovada esta emenda, estaria anistiando todo este tipo de conduta, este é o problema desta emenda. E isto acarretará que tudo que vem se falando na lava jato pode vir a ruir, este é o nosso alerta. porque isto será utilizado como uma manobra para manter a impunidade, principalmente mediante uma operação como esta da lava-jato”, explicou.

Segundo o procurador, é de suma importância que a população faça a sua parte e que fiscalize o poder público.

“À sociedade cabe ficar bastante atenta, o povo precisa ficar atento, àquilo que seus mandatários praticam. Na Itália, onde houve a operação Mãos Limpas, da qual a lava-jato se inspirou, digamos assim, por conta da ausência da população, o legislativo aprovou umas medidas que dificultaram o combate à corrupção e deixaram os corruptos impunes. A população brasileira não pode repetir o erro e ficar omissa neste debate”, disse.

Presidente garante que medida não será aprovada

Neste domingo (27), o presidente da República, Michel Temer (PMDB) anunciou, juntamente com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, Rodrigo Maia (DEM) e Renan Calheiros (PMDB), respectivamente, um “ajustamento institucional", com o objetivo de impedir a tramitação no Congresso de qualquer medida que permita anistia a políticos que em eleições passadas tenham praticado caixa 2 (uso de recursos não declarados à Justiça Eleitoral).

Relacionadas