sexta, 26 de fevereiro de 2021

Política
Compartilhar:

Presidentes de partidos na PB avaliam condenação de Lula

Adriana Rodrigues / 12 de julho de 2017
Foto: Reprodução
A condenação do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, pelo juiz Sérgio Moro, dividiu opiniões de presidentes de partidos na Paraíba. Muitos classificaram como reflexo do momento político do País e uma medida em combate a corrupção. Outros consideram extrema, sem embasamento jurídico, como resultado da perseguição política do magistrado ao petista, e lamentaram a decisão. Comente no fim da matéria.

O presidente do PSDB na Paraíba, Ruy Carneiro, disse que apesar de não conhecer totalmente o processo, parte de uma premissa muito lógica de que a lei é para todos. “A lei é para Lula e para qualquer cidadão brasileiro. Quem errou deve ser punido”, comentou.

Para o tucano, que teve o partido na base de oposição do Governo Lula, apesar de ser uma medida que pode causar tristeza, faz parte da postura de um novo Brasil. “Os tempos estão mudando é importante que isso fique claro. A lei é para todos”, declarou.

O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) também se manifestou sobre a decisão do juiz Sergio Moro. "Que o Brasil estabeleça esse patamar e não recue mais. Ninguém pode estar acima da lei", relatou.

O deputado federal Benjamin Maranhão, presidente do SD, também atribuiu a condenação de Lula as mudanças que estão ocorrendo no País e até mesmo na mentalidade do Judiciário. “Vemos com isso, que  a lei está sendo interpretada de forma igual para todos. Não há o que discutir em relação a isso e quem fez os seus atos que responda por eles”, avaliou.

O presidente estadual do PSB, Edvadlo Rosas, considerou muito estranho a condenação do ex-presidente Lula sair logo após a aprovação da reforma trabalhista pelo Senado. Ele considera a decisão uma forma de mudar o foco das discussões.

O socialista também disse que desconhece se o juiz conseguiu apresentar alguma prova concreta contra o presidente Lula, já que segundo ele, até  então  não tinham apresentado nada que provasse o envolvimento de Lula  com as acusações  e não  se pode condenar sem provas. “Esperamos que  a justiça seja feita respeitando os seus princípios,  que inclui as necessárias  provas para que qualquer pessoa seja condenada”, comentou.

O senador José Maranhão, presidente do PMDB na Paraíba, lamentou profundamente o ocorrido, mas afirmou que decisão judicial não se discute, se cumpre, ou recorre. De acordo com Maranhão, a pessoa mais indicada para falar sobre a condenação é o próprio Lula.

O vice-prefeito de Campina Grande e presidente do PP na Paraíba, Enivaldo Ribeiro, disse que foi pego de surpresa com a condenação do ex-presidente Lula, preferiu não opinar sobre a decisão, porque ainda não tinha conhecimento do inteiro teor da sentença e nem dos detalhes do processo.

O presidente do PT na Paraíba, Jackson Macedo, disse que não foi surpresa para nenhum petista a decisão do juiz Sérgio Moro em condenar Lula. Segundo ele, a posição do magistrado foi política e causaria surpresa.

“Não nos espantamos com uma decisão partida de Sérgio Moro. É uma decisão já esperávamos. Do ponto de vista jurídico não há nada que comprove que o tríplex do Guarujá é de Lula. Portanto estamos tranquilos”, afirmou.

De acordo com Jackson Macedo, nos próprios autos da decisão Sérgio Moro não pede a prisão de Lula e apenas condena dando ao petista o direito de recorrer a outras instâncias da Justiça.

“Não pediu a prisão para que o presidente possa na 2ª instância derrubar o processo. Por isso estamos tranquilos. Sem dúvida nenhuma, o TRF da 4ª região reverterá essa decisão”, afirmou, anunciando que o PT irá protestar contra a decisão de Moro durante ato já programado para acontecer no próximo dia 21, em João Pessoa.

O deputado federal Efraim Filho (DEM), líder do partido na Câmara dos Deputados, classificou a condenação do ex-presidente Lula como uma lição didática para os brasileiros e a garantia que “todos devem ser iguais perante a lei”.

“A sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro contra Lula foi baseada na lei, nos fatos e nas provas. Significa o fortalecimento no combate à corrupção e a impunidade e uma lição didática para o cidadão brasileiro que acabou-se o tempo em que os poderosos não enfrentavam a Justiça e todos devem ser iguais perante a lei”, declarou o democrata.

O juiz Sergio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Relacionadas