quarta, 25 de novembro de 2020

Política
Compartilhar:

“Presidente do Conselho de Ética é um remanchão”

Nice Almeida / 11 de dezembro de 2015
Foto: Arquivo
Procrastinador e remanchão. Foram esses os 'adjetivos' utilizados pelo deputado Manoel Junior (PMDB-PB) ao se referir ao presidente do Conselho de Ética José Carlos Araújo (PSD-BA). Para o peemedebista, o motivo de o processo contra Eduardo Cunha ainda não ter andado é do presidente.

"Não foi votada a admissibilidade do processo de cassação de Eduardo Cunha só culpe uma pessoa: o presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, José Carlos Araújo, que é um remanchão", alfinetou.

O deputado paraibano disse que o relator do processo contra Cunha, Fausto Pinato (PRB-SP), foi destituído porque o presidente não deu ouvidos aos problemas existentes e apresentados na Casa.

"O Conselho de Ética não pode nomear um relator de um processo que seja do mesmo partido, do bloco parlamentar ou do Estado do representado. Eu avisei isso ao presidente e ele não deu ouvidos, passou por cima. Eu fiz uma questão de ordem por escrito, o presidente respondeu negativamente dizendo que não ia acatar minha questão de ordem e eu que estou errado ou é o presidente que está procrastinando?", indagou.

Sobre defender Cunha...

Apesar de circular com documentos que, segundo ele, comprovam a inocência do presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) com relação a existência de contas na Suíça, o deputado paraibano Manoel Junior (PMDB) garante que não atua como defensor de Cunha no Conselho de Ética. Ou melhor. O peemedebista recua da própria afirmação alegando defender o regimento interno da Casa e a Constituição Federal.

"Se a imprensa está dizendo que minha conduta no Conselho de Ética de tentar manter o regimento e a Constituição Federal é defender Eduardo Cunha, então eu estou defendendo. Eu estou retratando aquilo que tem nos autos. Eu não fui contratado por Eduardo Cunha para defendê-lo, mas também não fui contratado para acusá-lo", alegou.

Relacionadas