terça, 11 de dezembro de 2018
Política
Compartilhar:

Pré-candidata a vice-presidente pelo Psol fala sobre propostas em conjunto

André Gomes / 27 de julho de 2018
Foto: André Gomes
A candidata a vice-presidente da República pelo Psol, Sônia Guajajara, atribuiu o descrédito dos eleitores com a classe política às promessas feitas e não cumpridas. Para tentar conquistar esse eleitorado mais descrente, ela revelou que o partido está construindo um movimento inverso, onde a população constrói as propostas.

De passagem pela Paraíba e em conversa com o Correio, Sônia disse que o Psol montou 17 grupos de trabalhos temáticos formados por especialistas e por pessoas que vivem inseridos em cada um dos temas propostos.

“Estamos trabalhando com essa Campanha Movimento com o objetivo de fazer com que essas pessoas se sintam envolvidos e tragam suas propostas e seus ponto de vistas, fazendo com se sintam co-responsáveis tanto por essa construção como em um pós, num processo de tomada de decisão”, destacou a pré-candidata.

Sônia acredita que o Brasil só mudará a realidade atual com investimentos em educação. De acordo com ela, a educação está como uma pauta prioritária para a pré-candidatura do Psol que tem compromisso com o povo.

“A educação tem vir com um dos principais pilares. Se as pessoas não têm acesso ao conhecimento, ela não consegue fazer a crítica que tem que ser feita sobre a atual conjuntura política ou o sistema político, econômico e social. A gente precisa garantir uma educação que alcance a diversidade como a população rural, os indígenas, a população GLBT”, afirmou Sônia Guajajara.

A pré-candidata disse que aceitou ingressar na disputa eleitoral deste ano depois de avaliar o atual cenário político brasileiro. “Depois de analisar esse contexto de ataques e retiradas de direitos das pessoas, decidimos ingressar nesse processo de disputa para ocupar a política institucional”, disse.

Relacionadas