sábado, 19 de setembro de 2020

Política
Compartilhar:

População descredencia partidos e cobra mais aproximação em período não eleitoral

Alexandre Kito / 01 de novembro de 2015
Foto: Divulgação
Os partidos políticos vêm perdendo cada vez mais a simpatia dos eleitores. O desinteresse revela a crise das agremiações que reúnem filiados para conquistar mandatos. A instituição é composta por ideias e propostas que precisam ser conhecidas. Mas, o que tem ocorrido é a prioridade das pessoas, parlamentares e candidatos, que se destacam a frente dos programas partidários.

No plano nacional, o que acontece é um momento crítico na história política e partidária. O agravamento da crise que toma conta do Brasil parece indicar a incapacidade das instituições que não encontram um modo de superar o conflito de interesses e faz parecer que as atividades do país estão sem rumo.

A população tem assistido a uma ‘avalanche’ de casos de corrupção e de manobras no Congresso Nacional visando a conquista do poder. Escândalos que passam pela presidência da Câmara dos Deputados, comandada por Eduardo Cunha (PMDB), pelo Senado, com o presidente Renan Calheiros (PMDB), ao partido da presidente Dilma Rousseff (PT).

Pesquisa confirma quadro

Pesquisa realizada no final deste mês, através da Confederação Nacional de Transporte (CNT/MDA), mostra claramente a percepção das pessoas em relação à política do país e a ação dos partidos. A classe política levou o título mais amargo da pesquisa: o de instituição com o menor índice de confiança. No país, 76,2% da população não confiam nos partidos políticos. A Igreja foi a instituição mais confiável.

Esse ceticismo é explicado pelo cientista político Fábio Machado. O professor alega que a maioria dos partidos está distante da sociedade e não representam os diversos segmentos. As instituições partidárias foram criadas para representar o povo. Elas se caracterizam por ter estatuto e carta programa. Mas, o que ocorre hoje é que os comandantes destas legendas têm almejado apenas o poder e o Governo, explicou Fábio Machado.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas