segunda, 08 de março de 2021

Política
Compartilhar:

Pedro lamenta permanência do PSDB na base de Temer e defende reformas

Gabriel Botto / 13 de junho de 2017
Foto: Reprodução
O deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB) lamentou a decisão do partido em permanecer na base do Governo do Presidente Michel Temer. Ele disse que espera que essa instabilidade política vivida no país não atrapalhe o trâmite das reformas propostas pelo governo.

"Eu fui voto vencido, permaneço defendendo que o governo atual não tem condições de governar o país. Espero que eu esteja equivocado e que consigamos dar sequência as transformações que o país precisa atravessar. Na minha avaliação quando um governo deixa de ter na agenda saúde, educação e segurança, passando a ter  julgamento, denuncia e delação, tem alguma coisa errada e é isso que incomoda e faz com que exista uma parcela do partido que queira entregar os cargos e continuar apoiando aquilo que precisa estar na pauta do nosso país", disse o deputado federal Pedro Cunha Lima.

Sobre um possível "racha" no PSDB, o deputado disse que há apenas uma divergência de pensamento entre alguns membros do partido e que essa diferença é aceita com naturalidade.

"Não existe racha no partido, o PSDB respeita opiniões divergentes, é natural que existam pontos de vista distintos, isso é da política. Essa diferença de analisar as coisas não faz com que haja uma ruptura partidária", destacou Pedro Cunha Lima.

2018

Sobre as eleições de 2018, Pedro preferiu não comentar sobre uma possível chapa, pois acha que não é o momento certo para tal, visto que o país está atravessando uma grande instabilidade política e deixou o assunto para o próximo ano, porém comentou que o nome de Romero Rodrigues (PSDB) seja um dos cotados para 2018.

"É um dos nomes, Romero faz um excelente trabalho em Campina, porém existe uma inadequação de tentar afunilar esse debate agora, eu não consigo achar ambiente pra tratar isso agora, no momento em que o Brasil passa por uma instabilidade gigantesca, eu não tenho capacidade de falar sobre formação de chapa, isso deve ser discutido ano que vem", comentou Pedro Cunha Lima.

Relacionadas