sexta, 04 de dezembro de 2020

Política
Compartilhar:

Mudança eleitoral não aumenta poder de políticos

Francisco Varela Neto / 10 de agosto de 2017
Foto: Francisco Varela Neto
A modificação no sistema eleitoral que foi aprovada nesta quinta-feira (10), na qual o chamado 'distritão' passará a valer já para as eleições do próximo ano, tem causado divergências. Uns são contra e outros a favor. Na opinião do juiz eleitoral José Ferreira Júnior, o distritão é positivo, do ponto de vista de valorizar o voto do eleitor. Por esse sistema, serão eleitos os candidatos mais votados para o Legislativo, sem levar em conta os votos recebidos pelo conjunto dos candidatos do partido, como é o sistema proporcional adotado atualmente. Comente no fim da matéria. 

"Acredito que isso é positivo e que vai trazer benefícios, principalmente para valorizar o voto do eleitor, quantitativamente e qualitativamente. O eleitor vai saber que o voto dele vai ter valor", disse.

De acordo com o juiz, essa mudança é positiva também porque esta já era uma reclamação popular há algum tempo.

"Acredito que o distritão, como está sendo chamado, que nada mais é do que transformar - por exemplo - o estado da Paraíba e cada estado em um distrito eleitoral e, posteriormente, nas eleições municipais, as cidades em distritos eleitorais, vai atender um reclamação da população. Eu já sou juiz eleitoral há 25 anos, há várias eleições e as pessoas sempre questionavam", afirmou.

Ele explica que os mais votados serão os eleitos, sendo até suplentes os que obtiverem maior votação.

"Com esse distritão, serão eleitos os mais votados. Por exemplo, no estado da Paraíba, os 36 deputados estaduais, serão os 36 mais votados na ordem de votação, e outro detalhe, o suplente será o próximo da fila, o trigésimo sétimo, o que também vai valorizar mais o voto do eleitor. No caso dos deputados federais, os 12 deputados federais serão os que serão eleitos, os mais votados serão eleitos e o 13º passará a ser o primeiro suplente, e isso vai evitar discrepâncias", explicou.

Sobre um possível favorecimento de parlamentares que estariam encontrado no distritão uma alternativa para se manter no poder, o juiz acredita que isso não exista na prática.

"Eu acredito que não. Tanto faz o distritão como o sistema atual, todo mundo quer se manter no poder. Eu acho que não tem nenhuma influência o distritão em parlamentares se manterem no poder", disse.

Na opinião dele, é notório que um deputado que já tem alguma mídia, sempre tem vantagem, mas isso nada tem a ver com o sistema de votação.

"É obvio que quem já tem uma mídia larga na frente, tem facilidade, mas isso independe do sistema de votação. Até no sistema de hoje, quem já é deputado ou prefeito ou governador, leva uma vantagem maior sobre o outro que não é, porque ele já tem a exposição midiática de forma que este benefício é natural", finalizou.


Relacionadas