sexta, 15 de janeiro de 2021

Política
Compartilhar:

Legendas articulam, fazem contas e já têm nomes com potencial para as eleições

Alexandre Kito e Adelson Barbosa dos Santos / 04 de novembro de 2017
Foto: Ilustração
De olhos voltados para as 36 cadeiras da Assembleia Legislativa e para as 12 que a Paraíba tem direito na Câmara Federal, os diretórios estaduais dos partidos estão articulando suas estratégias para as eleições de 2018.

Os dirigentes partidários dizem que estão abrindo espaços para novas lideranças e entre as estratégias para fortalecer as legendas está a de atrair filiados que já detém mandato no Legislativo estadual ou federal. Novas regras também estão sendo criadas por alguns presidentes para fortalecer as agremiações.

O presidente estadual do Avante, Genival Matias, tem focado em filiar detentores de mandatos. Entre parlamentares e suplentes de deputados, que compõem a sigla: Tião Gomes, Inácio Falcão, Emano Santos, além do próprio Genival Matias e, recentemente, Aníbal Marcolino, que deixou o PSD, do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, para aderir ao Avante. O presidente estadual afirmou que o partido tem conquistado espaço desde 2010 e que se sente forte para o pleito de 2018.

O diferencial para a próxima disputa, segundo Genival Matias, é que a legenda não pretende fazer coligação. A ideia é que eles disputem sozinhos ou então coligados a partidos com menor representação.

“O Avante tem montado um projeto para sair sozinho na disputa, sem coligação. Podemos nos coligar a partidos que sejam ou do mesmo tamanho ou inferior. Mas, não vamos coligar a legendas grandes. O projeto está sendo montado para que a gente possa eleger os deputados e sabemos que coeficiente elege. Acreditamos que podemos ter mais de 300 mil votos”, explicou o deputado genival Matias.

Ele acrescentou que o partido pretende eleger em torno de seis deputados estaduais e pelo menos um deputado federal.

Prioridade do SD é a reeleição de Benjamin

O presidente do Diretório Municipal do Solidariedade, vereador João Almeida, disse que a prioridade do partido para as eleições de 2018 na Paraíba é reeleger o deputado federal e presidente estadual da legenda, Benjamin Maranhão. “Precisamos manter a nossa representação na Câmara Federal para que o partido não sofra qualquer ameaça no seu crescimento”, disse João Almeida. O vereador afirmou que o processo de formação de chapa e de coligação do Solidariedade com outras legendas será conduzido por Benjamin e por ele. “Benjamin é meu amigo e nós vamos discutir todo o processo em conjunto, porque a prioridade é reelegê-lo para que nosso partido tenha uma força duradoura”, frisou o vereador.

Democratas vai com o governador

O democratas também está de olho em nomes conhecidos na política paraibana. A Executiva Estadual tem negociado com o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), que anda insatisfeito com a sua atual legenda.

A intenção de atrair o parlamentar é fortalecer o partido para barganhar espaço na chapa majoritária, já que o DEM já oficializou o apoio à candidatura do PSB.

“Nós ainda temos que definir os avanços como vai acontecer, mas independente de Veneziano vir para o partido, o democratas pensa em compor a chapa majoritária em 2018. O partido vai continuar com o governador Ricardo Coutinho e vamos definir as coligações, tanto a nível federal como estadual. Mas ainda temos que ver quais são os times e quem são os jogadores. Estamos trabalhando com paciência”, disse o presidente estadual do Democratas.

PPS tenta o fortalecimento

O PPS também tem buscado a mesma estratégia de filiação para o fortalecimento da sigla. O Diretório Estadual tem negociado a filiação do deputado João Bosco, que se encontra no PSL, mas já admitiu que deve deixar sua legenda, após mudança do comando.

Segundo o presidente estadual do PPS, Nonato Bandeira, existe um convite através na Executiva Nacional para que o parlamentar se filie a agremiação.

“O partido se fortalece com as novas chegadas. O que temos é um convite feito pelos candidatos a deputados estaduais a João Bosco Carneiro, que já foi presidente do PPS e a direção nacional gosta muito dele e reforçou o convite”, explicou Nonato Bandeira.

Os deputados Edmilson Soares e Branco Mendes, ambos sem partido, também estão sendo cogitados.Mas Edmilson Soares disse que, por enquanto, não foi definido em relação ao seu futuro partido político

Estratégia. Os partidos políticos Livres, PSDC, Podemos e Solidariedade estão estudando a possibilidade para que as pessoas que pretendem disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa nas eleições de 2018 tenham que submeter seus nomes a um conselho a ser firmado por representantes das legendas. As quatro siglas devem ser aliadas no processo eleitoral do próximo ano.

De acordo com o presidente estadual do Livres (antigo PSL), vereador Lucas de Brito, a intenção é apresentar ao eleitorado novos nomes para disputar o pleito e renovar os representantes no legislativo. “Alguns medalhões podem ser barrados”, admite o vereador adiantando que ainda não houve nenhum impedimento.

Ele explicou que na primeira etapa será discutido nomes que tenham competitividade para disputar em ‘pé de igualdade’ uma vaga na Casa Legislativa, e em outra fase os nomes que podem concorrer a Câmara federal.

Sob o comando dos deputados Frei Anastácio (estadual) e Luiz Couto (federal), um grupo denominado Muda PT está percorrendo todas as regiões da Paraíba, nos finais de semana, com a finalidade de mobilar e reativar a militância petista, incentivando-a para a campanha eleitoral de 2018. “Estamos vivos e ativos para a cdampanha do prórimo ano”, comentou Frei Anastácio.

Segundo ele, a receptividade é muito boa no interior do Estado.

Relacionadas