quinta, 19 de outubro de 2017
Política
Compartilhar:

Justiça decreta greve dos Professores ilegal

Da Redação / 07 de abril de 2016
Foto: Arquivo
O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) decretou, na noite de ontem, a ilegalidade da greve dos profissionais de educação da rede municipal de ensino de João Pessoa, sob pena de multa. Os professores e demais funcionários, que estão em greve desde a última segunda-feira, estão aguardando a notificação da Justiça para marcar uma assembleia geral com o objetivo de definir os rumos da categoria.




Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município de João Pessoa (Sintem-JP), Daniel de Assis, a partir da notificação da ilegalidade do movimento, os grevistas terão o prazo de 48 horas para retornar às atividades. Porém, ele afirmou que durante o período a categoria pretende elaborar e apresentar a defesa, que será feita através dos advogados. "Ainda estamos no prazo legal e por isso vamos continuar com a greve. Assim que formos notificados, nós agendaremos um assembleia geral para decidir se permanecemos ou não paralisados", ressaltou Daniel.




O presidente do Sintem destacou que mais de 60 mil estudantes estão sem aulas e 8,5 mil trabalhadores da Educação estão em greve com 90% de adesão, nas 106 escolas municipais de João Pessoa. Já nas 84 creches do município, a paralisação atinge somente os funcionários efetivos. Mesmo com o término do prazo para aumentar os salários em função das eleições, existe a possibilidade de conceder um percentual de 10,67%, para reposição da inflação. O município garante que já concedeu 5,44%, em “face da crise econômica que reduziu as receitas municipais”.




Ontem, os funcionários participaram de uma audiência pública na Câmara dos Vereadores de João Pessoa, onde formaram uma comissão para dialogar com o prefeito Luciano Cartaxo (PSD). Mas, o encontro ainda não foi definido.Daniel de Assis disse que a Prefeitura Municipal da Capital não realizou o reajuste dos salários e a classe pede aumento de 11,67%, determinado pelo Ministério da Educação.

Relacionadas