domingo, 22 de abril de 2018
Política
Compartilhar:

João Azevedo acusa oposição de politizar fim do racionamento em Campina Grande

Gabriel Botto / 16 de agosto de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
O secretário de Recursos Hídricos da Paraíba, João Azevedo, associou a ação da Defensoria Pública de Campina Grande, que tenta impedir o fim do racionamento de água, a fatos políticos. Azevedo insinuou que o fato de ter sido ele a pessoa a anunciar a normalização do abastecimento na região da Rainha da Borborema é que tem levado algumas autoridades a questionarem isso e a tentarem impedir que a água chegue até as torneiras dos campinenses.

"A grande questão na Paraíba, infelizmente, é que tudo se tenta politizar. Eu vi um prefeito dizendo que não era contra a retirada do racionamento, mas sim pela forma como foi feito, pois João Azevedo que foi anunciar, e era pra quem anunciar? O secretário de saúde? Muitas pessoas se preocupam mais com a fala para se jogar para a platéia do que com o fato em si, e eu sinceramente não me preocupo com isso. Minha missão é fazer com que a Paraíba tenha uma garantia hídrica”, pontuou João Azevedo durante entrevista concedida à rádio Correio Sat/98 FM.

Leia também: Ricardo crava nome de João Azevedo para 2018 e Cartaxo questiona decisão do Governador

“O povo que passa dias sem ter água sabe como um racionamento prejudica o dia a dia das pessoas. A busca por esse projeto (transposição) era tirar exatamente essas cidades desse estado de racionamento. Quando a água chegou a essas cidades, vieram os questionamentos sobre quando tiraríamos as cidades desse estado, que era exatamente quando os açudes saíssem do volume morto, que era quando tivesse 8,2% da sua capacidade armazenada e que pudéssemos trabalhar com os dois sistemas, o flutuante e o de capacitação de água. Agora que conseguimos atingir essa meta, pelos cálculos que fizemos, é possível tirar Campina Grande dessa situação, pois a vazão que recebemos de eixo leste ficará em torno de 7 metros cúbicos, lá me Monteiro, chegando 2,62 metros cúbicos por segundo em Boqueirão, estamos tirando do açude 0,85 metros cúbicos para o racionamento, e para sairmos do racionamento, temos que passar de 0,85 para 1,3, então, mesmo tirando a evaporação, ainda ficamos com 1,07 de aporte diariamente, tirando 1,3 para terminar o racionamento”, disse o Secretário de Estado de Recursos Hídricos, João Azevedo Lins.

João Azevedo afirmou que caso o bombeamento da transposição acabasse, o racionamento voltaria, mas o governo está contando com a funcionalidade do projeto, que segundo João “veio para resolver esses problemas”.

“Ai começam as conjecturas de que ‘se a transposição deixar de bombear, como vai ficar’, nesse cenário, o racionamento voltaria, porém, nós temos uma obra que foi feita pra bombear, então devemos trabalhar com a garantia que ela funcionará. Caso não funcione, teremos que voltar ao racionamento”, destacou João Azevedo.

Sobre utilização das águas do Açude Epitácio Pessoa e demais bacias contempladas com as águas da transposição para a irrigação, o secretário João Azevedo disse que a parte que compete ao estado está sendo feita, mas que outros órgãos também devem fiscalizar.

“Nós não podemos liberar irrigação nesse momento. Irrigação está proibida nos moldes e quantidade que existia em Boqueirão. A Agência Nacional das Águas (ANA) publicou uma portaria que diz ‘para efeito, ficam suspensas a captação de água do sistema hídrico Rio Paraíba/boqueirão, exceto para consumo humano e animal’”, disse João Azevedo.

Sobre a fiscalização do roubo de água para a irrigação e outros fins, o secretário informou que o Governo montará uma operação em conjunto com a ANA para fiscalizar e punir quem estiver praticando.

“Sobre a fiscalização, o poder de notificação é da ANA, pois a barragem até o momento tem sua regularização pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), nós não temos autoridade de proibir uma irrigação dentro da bacia, só fora. No caso da bacia a responsabilidade é da ANA, mas vamos montar uma operação em conjunto para conter essa retirada de água ilegal”, afirmou João Azevedo.

Câmara Municipal de Campina Grande

A Câmara Municipal de Campina Grande aprovou por unanimidade, na manhã dessa terça-feira (16), um requerimento de autoria da presidente Ivonete Ludgério (PSD) solicitando uma audiência pública para debater sobre a questão hídrica no em Campina Grande e região. Entidades como Agência Nacional das Águas (ANA), Ministério Público e AESA, entre outras, irão discutir sobre o fim do racionamento proposto para o dia 26 de agosto. A audiência acontece na próxima terça-feira (22).

O requerimento Nº 2.740 solicita a presença do Ministério Público, Ministério da Integração, ANA, AESA, CAGEPA, DNOCS, Associação Comercial, CDL, e demais organizações representativas. Na ocasião também será apresentado um relatório técnico pelo superintendente da ANA, Rodrigo Flecha, sobre a real situação de todo o sistema hídrico da região.

2018

Cravado pelo governador Ricardo Coutinho à disputa do Governo em 2018, João Azevedo negou que é um pré-candidato e disse que o foco agora é em tocar os projetos em andamento e levar água à quem mais precisa.

“Não sou pré-candidato, apenas tive meu nome citado pelo governador em uma reunião do nosso partido. Meu foco nesse momento é fazer com que a água chegue à casa do povo paraibano e tocar os nossos outros projetos”.


Relacionadas