quarta, 23 de setembro de 2020

Política
Compartilhar:

Interesses próprios prevalecem nos partidos

André Gomes / 11 de outubro de 2015
Foto: Divulgação
Mesmo quem gosta de quebra-cabeças encontra certa dificuldade para montar um em específico. Com 35 peças, o cenário de alianças político partidário apresentado hoje no Brasil é confuso até mesmo para os próprios integrantes das legendas. Especialistas chegam a se confundir quando o assunto é a ideologia partidária e as uniões feitas nacionalmente e que apresentam outra realidade nos estados e municípios. Na Paraíba, algumas siglas não atendem a orientação nacional e a desculpa da ‘realidade regional é outra’ aparece para justificar, em alguns casos, os interesses locais por cargos e poder.

Para o professor e cientista político, Pedro Sabino, o interesse de partidos políticos por poder ficou explícito nos últimos dias com as negociações feitas pela presidente Dilma Rousseff (PT) com o PMDB e outras legendas para acomodar aliados em ministérios e garantir apoio no Congresso. “É a política do toma lá, dá cá. E isso não acontece apenas lá em Brasília. Esse tipo de política está mais próximo de nós do que muita gente pensa”, destacou.

Isso é apenas uma das facetas do que acontece no cenário político brasileiro. Das eleições de 2014 até agora a realidade das alianças mudou em todo País e na Paraíba alguns partidos modificaram entendimentos e apoios as administrações estadual e dos dois maiores colégios eleitorais, João Pessoa e Campina Grande.

Conforme Pedro Sabino, os brasileiros estão perdidos sem entender as mais diversas alianças feitas por todo o Brasil.

Os partidos que são aliados nacionalmente não se unem nos Estados e muito menos nos municípios. “Isso acontece muito pelo descomprometimento com o interesse público já que o interesse que reina é apenas o particular”, disse.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas