domingo, 21 de julho de 2019
Impeachment
Compartilhar:

Deputados federais da Paraíba declaram otimismo com o impeachment

Adriana Rodrigues / 01 de setembro de 2016
Foto: Divulgação
Deputados federais da Paraíba avaliaram a decisão do Senado em aprovar o impeachment de Dilma Rousseff (PT) e falaram da  expectativa da chegada definitiva de Michel Temer (PMDB) na Presidência da República. A maioria dos parlamentares ouvidos considera acertada a decretação da perda do mandato da petista e está otimista quanto à retomada do crescimento econômico do Brasil, com o fim da crise ética, política e financeira.

O deputado Rômulo Gouveia (PSD) considerou a decisão do Senado muito importante e positiva para retomada do crescimento do País. Segundo ele, os 61 votos a favor do impeachment legitimaram o processo. Para ele, a decisão garante a credibilidade do País e a volta das relações internacionais. “A prova disso é que o presidente Michel, após a posse está embarcando para China que é um mercado importante”, declarou.

O deputado Efraim Filho (DEM) disse que a decisão do Senado em responsabilizar Dilma Rousseff pelo crime de responsabilidade fiscal foi acertada. Ele enfatizou que os gastos indevidos para vencer eleições e as chamadas pedaladas fiscais levaram o Brasil para pior crise de sua história, com recorde de desempregados e de empresas fechando. “Foi por isso que o impeachment se concretizou, pois é o remédio constitucional para frear a gastança irresponsável de um Governo que comete crimes de responsabilidade fiscal”, comentou.

Manoel Junior (PMDB) afirmou que com a aprovação do Impeachment de Dilma, depois de três anos de muitas dificuldades econômicas e políticas, o Brasil terá a possibilidade de normalizar sua vida e retomar o crescimento e o desenvolvimento. Para ele, o Governo destituído conseguiu destruir todos os órgãos públicos. “Não fizeram o dever de casa. Espero que o presidente Michel nesses dois anos e quatro meses consiga o equilíbrio, passa fazer o melhor e colocar o País nos trilhos novamente”, opinou.

Para Benjamin Maranhão (SD) a decisão do Senado, em decretar a perda do mandato de Dilma, contribui para que o Brasil volte a crescer e se desenvolver economicamente. Segundo ele, não havia mais condições de permanecer com um governo que deixou o país estagnado, atônito. “Dilma mergulhou o País em um caos administrativo e econômico. O resultado de tanta falta de gestão e irresponsabilidade com o dinheiro público foi desemprego, inflação, redução de salários e aumento da violência”, afirmou, propondo a união de forças políticas em torno de ações para tirar o País da crise que ainda o assombra.

O deputado Hugo Motta falou que a expectativa com o afastamento definitivo da presidente Dilma e a ascensão de Temer, é que o Brasil possa virar a página da instabilidade e conseguir retomar o crescimento econômico, diminuir o índice de desemprego e poder apresentar uma agenda positiva para o País. “O tempo que o presidente terá será muito curto, por isso, defende que ele deve apresentar este pacote de reestruturação econômico o quanto antes, inclusive com as medidas mais amargas que devem ser tomadas para o País sair mais forte da atual situação”, comentou.

Já Damião Feliciano (PDT) lamentou o resultado do processo de impeachment, afirmando que sempre foi a favor da presidente Dilma por entender que ela não cometeu crime de responsabilidade fiscal. Mas ressaltou, no entanto, que tem que aceitar o resultado, porque o Brasil é maior do que tudo isso, e por ser um País democrático, quem vence é a maioria.

André Amaral (PMDB) disse que o Brasil precisa virar essa página do impeachment. Para ele, a sociedade tem que estar em sintonia com o novo governo e com o parlamento. “Não será fácil e o governo precisará ser bastante enérgico, mas tenho certeza que em 2017 e 2018 a gente vai conseguir sentir os efeitos de um governo que prioriza as políticas públicas e que verdadeiramente surtem efeito na vida das pessoas”, disse.

Para o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB) o desfecho do impeachment deixa uma lição importante para a democracia, para o cumprimento do orçamento e mostra que não basta vencer a eleição para se fazer o que quiser. “Mas isso não resolve os nossos problemas e a expectativa portanto é de transformação de que o atual governo pegue esse retrovisor deixado pelo PT para não repetir os mesmo erros, fazendo uma nova política, trazendo um novo formato de exercício do poder. É isso que a população exige e que não tem mais paciência de aguardar”, afirmou.

Relacionadas