sexta, 23 de abril de 2021

Política
Compartilhar:

Governador João Azevêdo exonera secretários e faz mudanças no primeiro escalão

André Gomes / 03 de maio de 2019
Foto: Assuero Lima
O governador João Azevêdo (PSB) negou, nessa quinta-feira (2), que as exonerações de Gilberto Carneiro (Procuradoria), Waldson Sousa (Planejamento) e troca de secretaria de Cláudia Veras (Saúde), além de outras mudanças no primeiro escalão do Governo do Estado sejam o reflexo de um possível afastamento dele do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) ou que sejam relacionadas à quarta fase da Operação Calvário.

“Não existe isso, não. A mudança dentro da estrutura do governo isso acontece e vai continuar acontecendo, pois já estava sendo pensada desde os 10 dias de governo. Nós estamos tratando de reordenar a equipe de governo, vamos continuar fazendo isso e quando for necessário tomar providências, tomarei sempre que necessário”, disse o governador.

Questionado sobre as investigações da Calvário, o governador resumiu a dizer apenas que o “Governo do Estado continua fazendo o que tem que ser feito, trabalhando pelos paraibanos”. João revelou ainda que outras mudanças devem acontecer, pelo menos até o final do mandato. "Mudança de secretário é normal e vamos continuar a fazer o que se espera que é avançar no trabalho”, destacou.

A quarta fase da Operação Calvário atingiu em cheio o coração da administração pública estadual ao realizar o cumprimento de mandados de busca e apreensão na Secretaria da Administração e na Procuradoria Geral do Estado, tendo como alvos os ex-auxiliares Gilberto Carneiro da Gama e Livânia Farias.

Além das buscas, a Polícia Rodoviária Federal e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) executaram o mandado de prisão da servidora Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro.

Foram ainda expedidos mandados de busca e apreensão em João Pessoa, Santa Terezinha e Pitimbu, tendo como alvos Geo Luiz de Souza Fontes, Livânia Maria da Silva Rodrigues, Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro, Ricardo Jorge Castro Madruga, Ronaldo Prazeres Chaves de Lemos, Severino dos Santos Silva, Sanderlândia Bezerra Secundino, Maria do Socorro Vilar, Jefferson Vilar Coelho, Layane Lygia de Araújo Vilar e José Vilar do Nascimento.

Os pedidos do Ministério Público da Paraíba (MPPB) foram deferidas pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida.

De acordo com o Ministério Público, a nova fase da Operação Calvário buscou obter provas da atuação de Gilberto Carneiro junto à Organização Criminosa sob investigação, a qual teria como um dos operadores Geo Luiz de Souza Fontes.

Também pretendeu demonstrar a aquisição de patrimônio ilícito por Maria Laura Caldas de Almeida Carneiro, ocupante do cargo comissionado de assistente de gabinete com lotação na Procuradoria-Geral do Estado, a qual pode estar ocultando bens pertencentes a ela e/ou terceiros integrantes da organização criminosa.

Relacionadas