sexta, 15 de janeiro de 2021

Política
Compartilhar:

Executiva do PT da Paraíba se reúne para definir mobilização contra impeachment

Alexandre Kito / 18 de abril de 2016
Foto: Divulgação
Representantes da Executiva Estadual do PT juntamente com a Frente Brasil Popular se reuniram, nesta segunda-feira (18), para definir as mobilizações que serão realizadas em vários municípios do Estado contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), que teve a aprovação pela admissibilidade na Câmara Federal. Os deputados estaduais do partido, vereadores e lideranças estiveram presentes para decidir sobre os protestos. Os dirigentes petistas decidiram que vão percorrer os municípios paraibanos denunciando os parlamentares que votaram favoráveis ao pedido de afastamento.

A presidente estadual da legenda, Giucélia Figueiredo, ressaltou que o Partido dos Trabalhadores vai continuar em permanente estado de mobilização. Ela afirmou que a militância vai dar continuidade as manifestações em apoio à presidente Dilma Rousseff. Disse que os dirigentes da Executiva Estadual em conjunto com a Frente Brasil Popular estão programando o processo de manifestações contra o pedido de impeachment.

A direção nacional do PT também se reuniu para definir os rumos do processo eleitoral. Na Paraíba, Giucélia Figueiredo disse que os representantes da legenda vão dialogar com os dirigentes municipais para que sejam organizadas mobilizações com o intuito de apoiar a presidente.

"Foi um primeiro momento, foi uma farsa e a vitoria da hipocrisia. Mas, vamos percorrer todo o Estado denunciando os parlamentares paraibanos que golpearam a democracia", Giucélia Figueiredo.

Os petistas destacaram a votação na Câmara Federal como uma farsa e definiram a aprovação como um ato de hipocrisia, por parte dos deputados federais. Eles consideram que foi um rompimento as regras constitucionais, mas acreditam que o impeachment será detido no Senado Federal. Os dirigentes afirmaram que vão continuar apoiando a mobilização popular, pois acreditam que é a única resposta diante do processo que consideram ser um 'golpe'.

 

Relacionadas