segunda, 15 de julho de 2019
Eleições
Compartilhar:

José Maranhão nega conversa de ‘pé de orelha’ com Cássio

Adelson Barbosa dos Santos / 14 de julho de 2018
Foto: Nalva Figueiredo
Pré-candidato ao Governo da Paraíba pelo MDB, o senador José Maranhão disse, ontem, em entrevista ao programa Correio Debate, na rádio 98,3 FM (Correio SAT), que não critica a gestão do governador Ricardo Coutinho (PSB) porque ele está realizado obras projetadas e iniciadas no governo emedebista, a exemplo da construção de estradas e adutoras como a das Vertentes Litorâneas. Maranhão negou que tenha celebrado qualquer tipo de acordo com Ricardo Coutinho visando uma aproximação dos dois agrupamentos políticos em eventual segundo turno entre João Azevedo (PSB) e Lucélio Cartaxo (PV).

Também negou ter tido qualquer conversa de pé de orelha com o senador Cássio Cunha Lima (pré-candidato à reeleição pelo PSDB), visando às eleições de outubro. “Não tive conversa de pé de orelha com o senador Cássio Cunha Lima. No entanto, temos que praticar uma política civilizada em que os candidatos não sejam inimigos pessoais, mas apenas adversários”, disse Maranhão, acrescentando ser impossível não ficar sempre ao lado de Cássio, no plenário do Senado, onde as divisões das cadeiras são feitas por Estado. Como cada Estado possui três senadores, os mesmos ficam sempre jun tos.

“Eu, por exemplo, fico entre os senadores Raimundo Lira e Cássio Cunha Lima”, completou. Ele acrescentou que, no Senado, votou a favor de todos os projetos de interesse do governador Ricardo Coutinho. “Até porque identifico no projetos a marca do meu governo, a exemplo das estradas. O governador Ricardo Coutinho está certo. O projeto das estradas foi idealizado no meu governo. Outro projeto que o governador Ricardo Coutinho está concretizando interliga as bacias dos rios Paraíba e Maranguape e também é um projeto do meu governo. Nós construímos as barragens de Acauã e Araçagi e entre elas, o Governo está construindo um canal. Que garantirá a distribuição ampla da água da transposição do rio São Francisco”, frisou.

André Gadelha. Maranhão lamentou a adesão do ex-prefeito de Sousa, André Gadelha (MDB) , à candidatura de Lucélio Cartaxo. “Se for confirmado, só tenho a lamentar, mas não podemos fazer disso uma tragédia”, disse Maranhão frisando que, em contrapartida, recebeu ontem a adesão do prefeito de Mari, Antônio Gomes, que estava com Lucélio. “Também estou recebendo o apoio do irmão do prefeito José Feliciano (PSB), de Sapé, José Flávio Feliciano”, completou, dizendo que o deputado federal Wellington Roberto já conseguiu trazer para a sua campanha dezenas de prefeitos e outras lideranças. Indagado se está certo o ingresso do PSC na coligação do MDB com o PR, Maranhão assim se expressou: “Não recebi do PSC nenhum aviso de que o partido não ficaria comigo”.

Relacionadas