sábado, 16 de fevereiro de 2019
Política
Compartilhar:

Eleição confusa na Câmara de Cabedelo

Adriana Rodrigues / 01 de janeiro de 2019
O prefeito interino de Cabedelo, Vitor Hugo (PRB), será empossado hoje, às 19h30, com presidente da Câmara Municipal para o biênio 2019/2020. Na mesma sessão, ele vai realizar eleição para os demais cargos que se encontram vagos na nova Mesa, que foi eleita em março de 2018, e seria presidida pela ex-primeira Jacqueline Monteiro França (PRP), e na qual ele foi eleito 2º vice.

Serão definidos na sessão extraordinária de hoje os cargos de 1º e 2º vices-presidentes e de 1º e 2º secretários. Vitor Hugo disse que vai presidir a Casa seguindo o que determina o regimento interno e dois mandados de segurança. Assim que for empossado, junto com os demais membros, permanecerá como prefeito interino de Cabedelo até a realização das eleições suplementares para escolha do novo prefeito e vice, marcada pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), para 17 de março.

Assim, o vereador que for escolhido como 1º vice-presidente ficará no comando do Legislativo Municipal, interinamente, ou até mesmo em definitivo, caso Vitor Hugo for eleito para o mandato tampão de prefeito.

Prisão

A polêmica começou com a prisão dos vereadores eleitos para o primeiro biênio da Mesa Diretora da Câmara, durante a Operação Xeque-mate, do Ministério Público Estadual e Polícia Federal. Diante da vacância de todos os cargos, aconteceu a eleição para eleger uma Mesa Diretora para concluir o biênio. Vitor Hugo foi eleito presidente e Geusa Ribeiro vice-presidente.

No entanto, em abril do ano passado, Vitor Hugo assumiu a Prefeitura porque o ex-prefeito prefeito Leto Viana, foi preso também na Xeque-mate e renunciou ao mandato em 16 de outubro. O vice-prefeito, Flávio Oliveira (PRP), foi afastado e depois faleceu, de um ataque cardíaco em 15 de julho. Em seguida, Geusa Ribeiro assumiu como presidente interina da Casa

Geusa contesta a tese e alega que é preciso realizar a eleição suplementar e eleger parlamentares para os cargos vagos, ou seja, presidente, vice-presidente, primeiro e segundo secretários. Por isso, ele convocou as eleições.

Antecipação fracassada

A presidente interina da Câmara de Cabedelo, Geusa Ribeiro (PRP), tentou realizar uma nova eleição antes da posse de Vitor Hugo, mas fracassou. Ela convocou uma sessão extraordinária para a noite do último domingo para realizar a eleição suplementar para a Mesa, mas os vereadores ligados a Vitor Hugo não compareceram a sessão, que não pôde ser realizada por falta de quórum. Apenas seis dos 15 vereadores compareceram.

Uma nova sessão extraordinária foi convocada por Geusa ontem, às 11h, e mais uma vez só compareceram os seis vereadores. Desde o mês passado que a presidente da Casa trava uma queda de braço com o prefeito interino Vítor Hugo pelo comando da Casa, já que quem for eleito, assume a prefeitura interinamente até a posse do novo prefeito, a ser eleito pelo voto direito, em março.

Seriam necessários pelo menos oito para atingir o quórum necessário para abrir a sessão. Da mesa diretora eleita em março, apenas Vítor Hugo, atual prefeito interino, não foi preso no bojo da operação Xeque-Mate. Ele foi escolhido 2° vice-presidente e tem, inclusive, uma decisão judicial determinando que ele poderá assumir o cargo, em 1° de janeiro. Isso em decorrência da vacância da presidente e do vice. Jacqueline França, mulher do ex-prefeito Leto Viana, e Lúcio José estão presos desde abril. Estão presos, também, Antônio Bezerra e Tércio de Figueiredo, 1° e 2° secretários, respectivamente.

A sessão extraordinária convocada por Geusa deveria ter ocorrido domingo às 18h. A pauta era a eleição suplementar para a Mesa Diretora no segundo biênio (2019-2020). De acordo com o edital, o registro da chapa completa de candidatos seria recebida pela presidente da Câmara Municipal, no intervaldo de 15 minutos, depois de declarada aberta a sessão extraordinária. A chapa deveria ser apresentada, contendo os nomes dos vereadores indicados para os cargos de presidente, 1º vice-presidente, 1º secretário e 2º secretário. Como não houve quórum, ela convocou a segunda, para ontem, e também não conseguiu reunir os vereadores.

A convocação ocorreu após o prefeito Vitor Hugo ter oficializado a Geusa o pedido para entrega da chave da sede do Poder Legislativo para ele ser empossado como residente da Câmara e, por conseguinte, permanecer à frente da Prefeitura de Cabedelo. “Ela (Geusa) está movida pela sede de poder”, afirmou. Ele revelou, ainda, que contratou um chaveiro para abrir as portas do Legislativo hoje à noite.

Relacionadas