quarta, 25 de novembro de 2020

Política
Compartilhar:

Efraim Filho responde Eduardo Cunha, mas Aguinaldo e Manoel Junior silenciam

Rammom Monte / 21 de setembro de 2016
Foto: Divulgação
Em entrevista exclusiva ao programa Correio Debate, da rádio 98 FM/Correio Sat nesta quarta-feira (21), o ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, chamou os parlamentares paraibanos Efraim Filho (DEM), Manoel Junior (PMDB) e Aguinaldo Ribeiro (PP) de “hipócritas e covardes”, referindo-se à votação da cassação de seu mandato. O CORREIO ONLINE foi ouvir os envolvidos na declaração. Mas apenas um deles se pronunciou.

Efraim Filho (DEM) deu uma declaração, por meio de sua assessoria de imprensa. “Pode ter pensado que por ter votado pelo impeachment de Dilma, esperava que votaria a favor dele. No meu entender uma coisa não está vinculada a outra. Dei meu voto em sintonia com a população e de forma consciente”, disse em nota.

Já o deputado Manoel Júnior, chegou a atender às ligações e afirmou que só iria se pronunciar após um compromisso agendado para a tarde desta quarta-feira. Porém, depois disso reportagem voltou a ligar por diversas vezes, mas o parlamentar não mais atendeu às chamadas.

Aguinaldo Ribeiro (PP) não quis se pronunciar.

Em uma das afirmações, Cunha revelou, por exemplo, que Aguinaldo Ribeiro (PP), estava com ele na madrugada anterior à votação contando os votos que poderiam livrá-lo da cassação e na hora de votar mudou de opinião. "Não estou aqui para discutir quem ficou contra a mim, quem preste ou quem deixe de prestar, mas o comportamento de Manoel Junior, Aguinaldo Ribeiro e Efraim filho que foram hipócritas. Não posso deixar de realçar a hipocrisia deles", disparou.

Com esses deputados e outros que não são paraibanos, mas que segundo ele, foram hipócritas e covardes mudando de opinião na última hora, não haverá mais relações políticas. "Não sou solidário à hipocrisia, não pretendo ter relações políticas com os que votaram pela hipocrisia e covardia", disse.

Relacionadas