sábado, 28 de novembro de 2020

Política
Compartilhar:

Deputados retornam ao trabalho, mas convenções podem esvaziar sessões

André Gomes e Alexandre Kito / 02 de agosto de 2016
Foto: André Gomes
Os deputados estaduais voltam ao trabalho hoje depois de mais de um mês de férias por conta do recesso parlamentar do meio do ano. O retorno foi marcado pelas presenças do novato Raoni Mendes (Democratas) e do veterano Guilherme Almeida  (PSC). Para esta terça-feira (02) está  realização de sessão ordinária, com uma pauta constando 118 matérias para serem votadas, caso exista quórum suficiente. A Mesa Diretora deve realizar reunião para discutir a manutenção de sessões ordinárias durante período eleitoral.

De acordo com o deputado Hervázio Bezerra (PSB), as questões que tratam sobre a realização das sessões durante a semana devem ser discutidas hoje com o presidente Adriano Galdino. “Vamos conversar com o presidente para saber se a Mesa tem alguma sugestão quanto às sessões na Casa”, disse.

Sendo a última semana permitida para realização de convenções partidárias, e com a possibilidade de sete parlamentares envolvidos no processo eleitoral deste ano, a primeira semana na Casa pode ser esvaziada, assim como as seguintes com o início da campanha eleitoral.

Os candidatos a prefeito a serem confirmados em convenção esta semana são o presidente da Casa, Adriano Galdino (PSB), que vai disputar em Campina Grande, José Aldemir (PP) em Cajazeiras, Nabor Wanderley (PMDB) e Dinaldinho (PSDB) em Patos e o deputado Zé Paulo em Santa Rita. E ainda existe a possibilidade da participação de Jeová Campos em Cajazeiras e de Raoni Mendes, em João Pessoa, como vice na chapa encabeçada pela professora Cida Ramos.

Discussões envolvem o PMDB

Outro ponto a ser discutido na Casa é quanto à composição do PSB nos municípios e apoios políticos. O líder do governo, Hervázio Bezerra, disse que o partido tem dois pontos a resolver e que envolvem diretamente a Assembleia Legislativa.

Um é a sobre a manutenção da deputada Olenka Maranhão na Casa depois que o PMDB confirmou apoio ao PSD de Luciano Cartaxo na disputa pela Prefeitura de João Pessoa, quando o PSB tem como pré-candidata a professora Cida Ramos.

De acordo com Hervázio, o outro ponto que deve ser tratado nos próximos dias é a questão do apoio dos socialistas a Nabor Wanderley em Patos. “Vou conversar com o governador sobre o assunto. Temos essas duas questões para revolver. Em Patos, caso Nabor vença, quem assume definitivamente é Olenka. Se Dinaldinho vencer, quem assume é Mineral que é nosso aliado”, destacou Hervázio ao analisar o cenário político.

Para Hervázio, os dois temas são fundamentais para o PSB no processo de alianças e apoios, principalmente na Assembleia Legislativa. Ele chegou a confirmar o apoio de Nabor aos projetos do PSB e do governador Ricardo Coutinho, mas não deixou claro se o PSB será um aliado nas eleições de Patos.

Após a retirada da candidatura do deputado federal Manoel Junior, o PMDB que tem a suplente Olenka Maranhão no mandato por uma rearrumação feita pelo governador Ricardo Coutinho  negou apoio à pré-candidata socialista em João Pessoa, gerando uma crise entre as duas legendas.

A decisão dos peemedebistas em apoiar Luciano Cartaxo refletiu negativamente em campanhas do PMDB nos municípios de Campina Grande, Patos e Guarabira, onde os partidos não se entendem para formação de uma aliança. Toda composição passaria pelo apoio do PMDB na Capital.

Atividades na CMJP

A Câmara Municipal de João Pessoa abriu as portas ontem para retornar às atividades, após 30 dias de recesso. A Casa realiza a primeira sessão ordinária hoje com a presença dos vereadores e o presidente Durval Ferreira (PP) afirmou que vai reunir os parlamentares esta semana para discutir como ficarão os trabalhos durante o período eleitoral, que começa este mês. Eles também pretendem debater estratégias para que a campanha não atrapalhe as ações do Legislativo Municipal até o mês de outubro.

Durval ferreira ressaltou que a Mesa Diretora vai decidir se diminui uma das sessões ordinárias realizadas durante a semana. A finalidade é facilitar o trabalho desenvolvido pelos vereadores nos bairros para disputar a reeleição. As sessões normalmente acontecem nas terças, quartas e quintas-feiras. O presidente alegou que não está preocupado com a possibilidade das eleições deste ano atrapalhar o andamento da Câmara dos Vereadores, pois desde o início do ano ele tem orientado os parlamentares para que eles possam conciliar as atividades de campanha com as da Casa.

A redução no número de sessões tem como objetivo evitar que aconteçam muitas sessões declaratórias devido às possíveis faltas por parte dos parlamentares. Os vereadores acreditam que os debates em plenários devem ser intensificados, por causa das eleições na Capital. Mesmo assim, o líder da bancada governista na Casa, Marco Antônio (PHS), garantiu que o ritmo de trabalho não vai ser afetado pelo pleito eleitoral.

O oposicionista Lucas de Brito (PSL) também destacou que os vereadores estão orientados pela Mesa Diretora para exercerem as ações conciliando as atividades para a reeleição. “É uma determinação da Mesa e o presidente Durval tem essa preocupação em não permitir que as eleições atrapalhem o trabalho”, explicou.

O líder da bancada de oposição, Renato Martins (PSB), disse que vai solicitar que os vereadores apreciem os projetos e requerimentos encaminhados por eles.

Relacionadas