terça, 13 de abril de 2021

Política
Compartilhar:

De olho em 2018, Cartaxo e Ricardo iniciam bate-rebate de críticas

Alexandre Kito e André Gomes / 04 de abril de 2017
Foto: Arquivo
Questionado sobre a articulação política que já tem feito para possibilitar uma disputa pelo Governo do Estado nas eleições do próximo ano, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), disse que eleição será discutida apenas em 2018. Ele também rebateu críticas feitas pelo governador Ricardo Coutinho, que fez declarações de que o Executivo estadual tem realizado ações que deveriam ser feitas pela gestão municipal.

“Isso é uma discussão de cada um. Eu só devo satisfação ao povo. Estou focado no trabalho e para mim não tenho que ficar monitorando mandato de ninguém. Importante é continuar apresentando resultado através do trabalho. Fui eleito para cuidar do povo e a política vou deixar para o ano que vem. Estou em 2017 e este ano não tem eleição, tem gestão”, disse.

O gestor também foi indagado sobre o julgamento da chapa Dilma-Temer, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Quem deve definir isso é a Justiça”, rebateu. Luciano Cartaxo foi eleito em 2012 com o apoio do ex-presidente Lula (PT). Além do mais, teve o apoio na gestão de Dilma Rousseff (PT). Antes de disputar a reeleição a prefeito, ele deixou o PT, alegando que não aceitava os escândalos envolvendo filiados da sigla. Ontem, Cartaxo participou da liberação de microcrédito para 219 contratos com empreendedores da Capital através do Banco Cidadão. O investimento é de R$ 1.113.400,00 para micro e pequenos empreendedores.

Sobre questões administrativas, Luciano Cartaxo afirmou que ainda não há estudos da administração que possam garantir aumento salarial aos servidores municipais, que têm data base firmada para o mês de junho. As declarações foram feitas durante solenidade de liberação de microcrédito, através do Banco Cidadão, pela Prefeitura Municipal. Na ocasião, o gestor rebateu críticas do governador Ricardo Coutinho (PSB) e evitou debater estratégias para as eleições de 2018.

No mês passado, Luciano Cartaxo garantiu o reajuste dos salários dos profissionais do Magistério da rede municipal de ensino, em 5%. As outras categorias têm cobrado aumento, mas ainda não há planos da gestão que possibilitem o benefício. “Fechamos o reajuste junto aos professores da rede municipal, mesmo em cenário de adversidade. Não tenho ainda nenhuma definição em relação aos demais trabalhadores”, admitiu o prefeito.

Ricardo não poupa críticas

O governador Ricardo Coutinho (PSB) não poupou críticas às administrações dos prefeitos de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), e de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), possíveis candidatos ao Governo do Estado nas eleições do próximo ano. Durante inauguração do Parque Ecológico de Bodocongó, no final de semana, o socialista chegou a antecipar o discurso que deve ser utilizado durante a campanha eleitoral.

“Aqui é um espaço do povo, para o povo e feito pelo Governo do Estado da Paraíba que pagou R$ 27,8 milhões e que ainda vai fazer a outra etapa. Não pudemos fazer a dragagem deste açude porque o dinheiro foi para a Prefeitura de Campina Grande e infelizmente, a Prefeitura perdeu o dinheiro”, disse o governador.

Falando sobre as eleições de 2018, Ricardo adiantou que a Paraíba não vai querer uma insuficiência administrativa se referindo a administração de Luciano Cartaxo, na Capital.

“O que tem de gente aí esperando uma emenda do Governo Federal para poder calçar uma dúzia de ruas, é um absurdo. Quando eu olho que o prefeito de uma cidade como João Pessoa, que eu sei da sua potencialidade, fez poucas coisas, sinceramente me revolta porque cai tudo para cima do Estado. E eu não falo dos pequenos municípios. Eu falo dos municípios maiores que teriam que fazer mais coisas”, afirmou Ricardo.

Para Ricardo Coutinho, o debate das comparações deve ser feita pelo povo no próximo ano. “Esse é um debate que os paraibanos irão querer ouvir”, disse.

As críticas também foram direcionadas aos senadores Cássio Cunha Lima (PSDB) e José Maranhão (PMDB).

“Eu fiz já 10 vezes mais adutoras do que quem governou e hoje me critica. E vou fazer mais. Eu quero deixar para o meu sucessor, se Deus quiser, o que dará continuidade a esse processo todo, uma grande obra, um grande sistema adutor que já estamos preparando e que devo anunciar nos próximos dias”, antecipou.

O equipamento representa um investimento em torno de R$ 40 milhões, sendo cerca de R$ 28 milhões aplicados nesta primeira etapa.

Relacionadas