sábado, 05 de dezembro de 2020

Congresso
Compartilhar:

Veneziano acusa Cunha de ter sido antiético na eleição de Hugo para líder da bancada

Rammom Monte / 22 de fevereiro de 2016
Foto: Assuero Lima
O deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB) parece estar na bronca com o também deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara Federal. Em entrevista concedida no início da tarde desta segunda-feira (22) ao programa Correio Debate, da Rádio Correio Sat, o parlamentar paraibano acusou Cunha de ter sido “pouco ético e nada respeitoso” com o companheiro Hugo Motta, que disputou, no último dia 17, a liderança da bancada na Câmara dos Deputados.

“Fomos à luta e perdemos esta disputa por 37 votos a 30, e quando eu retornava depois da seção ao apartamento onde resido em Brasília fui apresentado, por parte de um companheiro de trabalho, a uma matéria, trazendo uma opinião do presidente Eduardo Cunha, que, primeiro, foi pouco ético, nada respeitoso e nada companheiro com o deputado Hugo Motta. Quando perguntado sobre o resultado, ele disse: ‘quem foi derrotado não fui eu. Eu nunca perdi uma eleição aqui. Quem foi derrotado foi o candidato’. Teve uma postura no mínimo desrespeitosa, não companheira, com um candidato que foi lançado única e exclusivamente para atender o chamamento do deputado Eduardo Cunha”, afirmou

Para Veneziano, o apoio público de Cunha influenciou negativamente na candidatura de Hugo Motta. “Eu disse a Hugo no início da jornada que tivesse muito cuidado para que não confundissem a candidatura dele com a candidatura de Eduardo Cunha. Absolutamente nada contra o presidente, mas obviamente, sabendo que no instante que isso ficasse refletindo publicamente para o governo, natural que o governo se indispusesse também com a candidatura de Hugo Motta", acrescentou.

Ele também deixou claro que o colega paraibano perdeu votos por causa de Cunha. "E digo, rapidamente, nós perdemos votos, como o do deputado José Fogaça (PMD-RS), que disse claramente a mim que não votava em Hugo, que considerava os qualitativos do deputado Hugo Motta, mas não tinha condições de votar em Hugo Motta pelas relações e por ser ele um candidato de Eduardo Cunha. Cito o exemplo do deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), que deixou de votar agora porque dizia claramente: ‘nem voto no candidato do governo (que seria o deputado Leonardo Picciani), mas também não voto no candidato de Eduardo Cunha’”, disse.

Segundo Veneziano, o deputado Eduardo Cunha, poderia ter assumido o prejuízo que causou à candidatura de Hugo Motta, após a derrota do parlamentar paraibano.

“Eduardo Cunha dizia publicamente: ‘Nós precisamos combater o candidato do governo, vote em Hugo, porque vocês estarão votando em mim’. Ele não foi feliz. Ele poderia apoiar a candidatura de Hugo nos bastidores, mas não poderia trazer essa explicitação, porque terminou trazendo o governo para dentro desta disputa. Eu pergunto, o governo permitira autorizar liberar o ministro de estado para ir um dia e voltar no outro? Claro que não. Em quaisquer condições, o governo não permitira isto. Só passou a permitir, a pedido do deputado Marcelo Castro, Ministro da Saúde, porque se constatou uma disputa não entre candidatos, mas uma disputa entre um candidato do governo e um candidato de Eduardo Cunha. Então ele poderia ter a grandeza, eu disso isso a Huginho, o presidente Eduardo Cunha deveria ter a grandeza de assumir os prejuízos que impôs à candidatura de Hugo Motta. Aí sim, ele demonstraria grandeza”, complementou.

Boatos sobre o voto de Veneziano

Sobre os boatos que surgiram sobre um possível “não-voto” de Veneziano em Hugo Motta, o parlamentar tratou de desmentir e reiterou o apoio que deu ao deputado conterrâneo.

“Não haveria de suscitar nem sugerir qualquer outro tipo de postura minha que não de colaborar. E foi isto que nós fizemos. Hugo, inclusive, fez o primeiro telefonema a mim quando da decisão de lançar a sua candidatura. Conversei com Hugo à noite e ele sabe muito bem do meu comportamento, o que fiz, o quanto que pude fazer, como repetiria-me em todas as investidas lícitas, legítimas a outros companheiros, a quem pedi este voto. Lamentavelmente, não conseguimos”, finalizou.

Pré-candidatura de Adriano Galdino em Campina Grande

Com relação ao lançamento da pré-candidatura de Adriano Galdino pelo PSB, em Campina Grande, Veneziano deixou claro que isso não afetará a relação dele com o governador Ricardo Coutinho, com que esteve nesta segunda-feira na assinatura da Ordem de Serviço para pavimentação da Avenida João Suassuna, na Rainha da Borborema. O deputado acrescentou, ainda, que não tem motivos para deixar o PMDB.

Relacionadas