quarta, 26 de junho de 2019
Política
Compartilhar:

CMCG reduz salários, muda expediente e corta celulares

Adriana Rodrigues / 18 de janeiro de 2019
Foto: Divulgação/CMCG
A crise financeira e as constantes quedas na arrecadação de recursos levaram a presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Ivonete Ludgério (PSD), a anunciar um pacote de medidas para contenção de despesas no Poder Legislativo campinense. As medidas vão desde a adequação do horário de expediente da Casa, a redução de salários, iniciando pelo próprio vencimento da presidente, que terá uma corte de R$ 4 mil, até o cancelamento do uso dos telefones institucionais dos vereadores, para reduzir os gastos e garantir o equilíbrio financeiro da Casa.

Todas as medidas entram em vigor a partir de 1º de fevereiro, apesar da presidente já ter adotado algumas desde dezembro para conseguir quitar a folha de pessoal de janeiro e o pagamento do 13º salário.

De acordo com Ivonete, as medidas são necessárias diante das quedas de arrecadação do município no último ano, o que corresponde na redução dos repasses para a Casa de Félix Araújo. A presidente informou que no mês de dezembro demitiu todos os funcionários do seu gabinete pessoal e os funcionários da Presidência, para iniciar os ajustes necessários para adequar a folha de pagamento. Além disso, reduziu a vencimento dos secretários da Casa, em R$ 3,2 mil, levando a remuneração de R$ 11,2 mil para R$ 8 mil.

“Estou estudando a possibilidade de dar um corte também nos salários dos funcionários de cargo comissionados que recebem acima de dois salários mínimos. Este corte linear seria entre 5 a 10%, mas ainda estou estudando essa possibilidade”, revelou a presidente.

Também para reduzir os gastos, será implantado o expediente de turno único, a partir de fevereiro, com horário correspondendo de 08h00 às 14h00, de segunda a sexta-feira. Atualmente a CMCG funciona com expedientes de manhã e tarde.

As sessões especiais que acontecem geralmente à noite, serão realizadas agora nas segundas ou sextas-feiras pela manhã, evitando gastos extras principalmente com pessoal. Outras medidas deverão ser anunciadas nos próximos meses, conforme for identificando as necessidades. “A única medida que não quero tomar é a de demissão nos outros setores”, declarou.

Relacionadas