quinta, 18 de abril de 2019
Política
Compartilhar:

Acordo garante votações na Assembleia Legislativa

André Gomes / 14 de março de 2019
Foto: Agência ALPB
Depois de reclamações feitas pelo deputado Wallber Virgolino (Patriota) sobre “manobras” realizadas pela bancada governista na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) para evitar a votação de algumas das suas proposituras, ontem um acordo de líderes garantiu o andamento dos trabalhos com apreciação de temas ligados a saúde e a segurança pública.

Dentro do acordo feito entre o líder da situação, Ricardo Barbosa (PSB) e de oposição, Raniery Paulino (MDB), foram aprovadas três matérias que estavam destacadas, duas de autoria do deputado Cabo Gilberto Silva (PSL) e uma de Paulino. Os projetos de Indicação, apresentadas pelo Cabo Gilberto, tratavam sobre a alteração de requisitos para promoção de policiais militares e também sobre promoções de graduações na Polícia Militar e Bombeiro Militar.

A matéria de Raniery Paulino aprovada solicitava a Casa a realização de uma audiência pública para discutir a situação do Instituto de Polícia Científica (IPC) na Paraíba. Para que essas matérias fossem aprovadas com a ajuda dos governistas, Ricardo Barbosa solicitou a reprovação de duas matérias de Wallber Virgolino e uma de Raniery.

As proposituras de Wallber tratavam sobre a convocação do secretário de Segurança Pública, Jean Nunes, para discutir a reestruturação da Polícia Civil e o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) da categoria e também sobre a realização de uma sessão especial para ouvir os membros do Ministério Público do Rio de Janeiro e da Paraíba e a Polícia Federal sobre a Operação Calvário.

A outra matéria de Raniery derrubada dentro do acordo foi a solicitação de convocação da secretária de Saúde, Cláudia Veras, para discutir os serviços públicos prestados pelo Governo do Estado.

Durante a sessão também foi colocado em pauta e aprovado um projeto de Lei, de autoria do deputado Ricardo Barbosa, que institui o ano de 2019 como ‘Ano Jackson do Pandeiro’, em alusão ao centenário de nascimento do artista paraibano.

O presidente da ALPB, Adriano Galdino (PSB), destacou a importância e contribuição do cantor e compositor paraibana para a cultura e música brasileira. “Jackson do Pandeiro muito nos honra e esta Casa mais uma vez faz justiça a este grande paraibano”, afirmou o presidente.

Natural do município de Alagoa Grande, assim como Jackson do Pandeiro, o deputado Bosco Carneiro parabenizou o deputado Ricardo Barbosa pela propositura. “Jackson do Pandeiro deixou um grande Legado para a Paraíba.

Quero louvar a iniciativa do deputado Ricardo Barbosa por ter apresentado este projeto”, disse Bosco.

Sobre as possíveis tentativas de procrastinação de matérias de deputados da oposição, a deputada Pollyanna Dutra negou e disse que pelo menos, dentro da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o regimento interno é obedecido a risca.

“Eu obedeço ao que determina o regimento. Não abro mão disso. Na CCJ seguimos o rito processual e a ordem cronológica de matérias que chegam para a análise não importando de quem seja. Se um deputado apresenta mais proposituras que outro, é normal ter mais matérias dele para análise”, disse a deputada.

Sessão homenageia mulheres hoje



A presidente da Comissão de Direitos da Mulher na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Camila Toscano (PSDB), reforçou o convite para que os paraibanos participem da sessão especial que será realizada hoje, às 10h, com o objetivo de celebrar o Dia Internacional da Mulher. Também será realizada, no Plenário José Mariz, a posse da servidora pública, Eliane Galdino, na presidência da Associação Promocional do Poder Legislativo (APPL).

“Celebrado mundialmente no dia 8 de março, o Dia Internacional da Mulher tem por objetivo destacar a importância que a figura feminina possui diante da sociedade e ressaltar as lutas e conquistas alcançadas pela mulher. Essas discussões que envolvem o universo feminino já são pautas na Comissão de Direitos da Mulher e serão levadas ao Plenário durante a sessão especial. Por isto, reforço o convite a todas as mulheres paraibanas para que possam discutir conosco temas importantes como o feminicídio, bem como a participação das mulheres na política”, disse a deputada.

De 2009 para 2018 um total de 1.083 mulheres foram assassinadas na Paraíba. Em 2018, o número chegou a 84 mortes. Muitos desses casos acabam não sendo classificados como feminicídio, mesmo se tratando desse tipo de crime. “É preciso encontrar soluções para frear esse avanço da violência”, disse.

Relacionadas