quarta, 18 de outubro de 2017
Nacional
Compartilhar:

Gritos de apoio, vaias e discurso duro de Dilma marcam posse de Lula como ministro

Nice Almeida / 17 de março de 2016
Uma cerimônia de sentimentos divididos onde gritos de apoio e vaias foram registrados em vários momentos. Assim foi a posse do Ministro Chefe da Casa Civil, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã desta quinta-feira (17), no Salão Nobre do Palácio do Planalto. Dentro do Salão Nobre, dezenas de manifestantes pró-Dilma e Lula soltavam aplausos e gritos de apoio. Na parte interna do Palácio concentraram-se milhares de manifestantes contrários a permanência de Dilma na presidência e também de Lula no ministério pediam a saída dos dois.

As manifestações contrárias, contudo, não foram suficientes para interromper a solenidade, onde somente a presidente Dilma Rousseff discursou. E a petista não fugiu da polêmica em torno da posse de Lula e do grampo telefônico divulgado nessa quarta-feira (16), com conversa entre a presidente e o novo ministro. O discurso duro também não poupou críticas aos adversários a quem chamou de golpistas.

Logo no início do discurso de Dilma, manifestantes que apoiam a presidente e o ex-presidente Lula não se contiveram e aos gritos de "não vai ter golpe" aplaudiram a decisão do Governo de empossas Lula na Casa Civil. Porém, logo em seguida, a presidente foi mais uma vez interrompida, só que dessa vez por gritos que pediam a saída dos dois no Governo Federal.

Mesmo assim Dilma prosseguiu. "Dou as boas vindas aos companheiros que agora passam a se incorporar ao governo. As circunstâncias atuais me dá a magnífica chance de trazer para o governo o maior líder político desse país. Uma pessoa que, além de ser grande líder, é um grande amigo e um companheiro de lutas e de conquistas. Você tem a grandeza dos estadistas e a humildade dos verdadeiros líderes", falou.

E foi nesse momento que Dilma começou a apontar para os adversários políticos. "Não terão força política para provocar o caos. A gritaria dos golpistas não vai nos tirar do rumo e não vai colocar nosso povo de joelhos. Estamos determinados a redefinir o equilíbrio fiscal e a retomada do crescimento. Meu governo terá ainda melhores condições para fazer isso, para recolocar o Brasil nos trilhos. Com Lula ao meu lado nós teremos mais força de superar as armadilhas que jogam em nossos caminhos contra aqueles que tentam paralisar nosso governo ou tentar me tirar do governo de forma golpista", disparou.

A liberação da gravação da conversa entre ela e Lula também encontrou espaço no discurso da presidente e ela colocou em xeque o equilíbrio do sigilo das investigações. "Se ferem as prerrogativas da presidente da República, o que farão com as prerrogativas dos cidadãos? A forma como essa gravação foi publicizada tem uma interpretação desvirtuada. Repudio total e integralmente todas as versões sobre esse fato. Eu tenho defendido a liberdade de expressão e manifestação e sei quanto foi difícil conquista-la. Mas eles abrem precedentes gravíssimos, os golpes começam assim", ressaltou.

Relacionadas