terça, 19 de janeiro de 2021

Infraestrutura
Compartilhar:

Obra da BR-230 deve ser concluída em 2022

Lucilene Meireles / 05 de julho de 2019
Foto: Assuero Lima
As obras de triplicação da BR-230 na Grande João Pessoa estão atrasadas. Iniciadas em 2017, com previsão de conclusão de três anos, agora ela deverá ser entregue apenas em 2022. O empreendimento, sob a responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), sofreu alterações em seu projeto de estrutura no meio do caminho, sem contar com problemas no desempenho do consórcio que realiza os trabalhos, além de outras interferências, como as chuvas. Atualmente, apenas 20% de sua totalidade foi executada. As obras ainda estão na primeira fase, sendo realizadas no município de Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa, e que devem ser finalizadas no primeiro semestre do próximo ano.

O supervisor da Unidade Local do Dnit, Rainer Branco, admite que o ritmo do trabalho no projeto de readequação da rodovia não foi o esperado. “Ocorreram alguns problemas, impedimentos que acabaram levando a obra a um atraso em relação à perspectiva do cronograma inicial. Considerando os impedimentos, dentro de um novo cronograma, está andando dentro do esperado, embora agora as chuvas tenham atrasado um pouco, reduzindo o ritmo dos trabalhos”, explicou.

Um dos impedimentos foi a necessidade de atualizar os projetos das estruturas da obra. “Tivemos alguns ajustes no trecho inicial para viabilizar a acomodação da rodovia, adequando de forma que provocasse menos impacto. Além disso, questões como interferências com concessionárias do serviço público como Cagepa e Energisa. A gente acabou tendo que promover algumas mudanças e deslocamentos. Tudo isso acabou provocando a necessidade de mudar o cronograma inicial previsto”, acrescentou o supervisor.

Para acelerar os serviços e avançar na obra, o Dnit está estudando a possibilidade de um aditivo no atual contrato.

Outra possibilidade é encerrar o contrato e fazer uma nova licitação para dar andamento aos serviços não concluídos. “Precisamos fazer uma análise, inclusive, em relação ao orçamento para saber se será mais vantajoso fazer o aditivo ou encerrar o contrato e fazer essa nova contratação para fazer o serviço remanescente, ou seja, as demais fases”, esclareceu.

O prazo até final de fevereiro, início de março se refere à primeira fase que será concluída no KM 11, próximo à Mata do Amém, onde a equipe está trabalhando. “Se o contrato for prorrogado, para chegar até Oitizeiro, que é o trecho final da obra, serão mais uns dois anos para concluir”.

"Não vamos conseguir concluir todos os serviços que estão no projeto dentro do prazo que seria fevereiro de 2020. Obras de grande impacto dentro de centro urbano têm sempre variáveis que causam transtorno, atrasam e dificultam, mas a perspectiva é que em dois anos a gente conclua por completo." falou Rainer Branco, superintendente da Unidade Local do Dnit.

População reclama da obra

Enquanto a obra sofre atrasos, a população reclama que passa por alguns contratempos por conta do serviço que, segundo os moradores do município de Cabedelo, não anda. Aldemir Tenório é motorista de transporte alternativo e a BR-230, no trecho da cidade, é seu caminho diário. Ele afirmou que sabe da magnitude da obra, mas observou também que o trabalho é lento.

“A obra está demorando. Os desvios são necessários, mas atrapalham, alteram o trânsito, atrasam as viagens. O prazo é grande e, pelo visto, vai dobrar”, opinou. A estudante Jardiele Cristina observou que os desvios são perigosos, principalmente para quem está dirigindo. “O trânsito muda o tempo todo e isso, além de aumentar o percurso, exige atenção redobrada do motorista”. Na avaliação do engenheiro civil Jonathan Nóbrega, alguns retornos foram fechados e essa é a principal dificuldade para os condutores. “O trajeto fica mais longo e o trânsito piora”, constatou.

Para o superintendente da Unidade Local do Dnit, Rainer Branco, é natural que ocorram contratempos. “Trata-se de uma obra que causa um impacto muito grande do ponto de vista de tráfego. Então, os desvios acabam criando esse transtorno para a população. Mas, a expectativa é que até o final desse ano, nesse trecho do km 11, a obra esteja concluída. Após análise, as etapas seguintes terão continuidade ou com a prorrogação do contrato ou uma nova contratação. Isso vai ser definido após as análises”, concluiu.

Confira alguns detalhes da obra:

-26, 5 km de alargamento da pista, construção de vias paralelas que vão até o Hospital de Trauma de João Pessoa.

-Construção de 13 novos viadutos – um foi suprimido em Cabedelo para evitar questões de desapropriação, quatro estão em andamento e ficam prontos até o final do ano.

-Na entrada da praia do Poço, a rampa Norte está sendo pavimentada, e a rampa Sul recebendo aterro. Até o início de agosto, já deve ser liberada para o tráfego.

-Estão previstas ainda 14 novas passarelas para pedestres, além de intervenções de alargamento nos viadutos do Retão de Manaíra, no que fica próximo à UFPB e no viaduto do Cristo.

-Serão executados 37,93 km de vias marginais.

-Execução de segunda/terceira faixa de rolamento ao logo do empreendimento (terceira faixa a partir do km 1,7);

-Serviços de restauração e manutenção ao longo do trecho do empreendimento;

-Execução de serviços de drenagem, entre outros serviços complementares.

 

Relacionadas