terça, 22 de outubro de 2019
Saúde
Compartilhar:

Paciente com câncer espera a dois meses por medicação na Paraíba

Renata Fabrício / 23 de abril de 2016
Foto: Divulgação
Mais uma paciente com câncer está à espera de que o Estado cumpra uma decisão judicial para iniciar o tratamento. A enfermeira Edna Batista da Silva, 53, foi diagnosticada com melanoma maligno no ano passado, e, no início de março, a médica emitiu um laudo receitando quatro injeções de Yervoi, com urgência. A Defensoria Pública ingressou com um pedido na Justiça no dia 8 de março, que despachou o caso e notificou a Secretaria de Estado da Saúde (SES), no dia seguinte, para que fornecesse o medicamento em até 48 horas, dispensando qualquer processo licitatório. Já são dois meses de espera.

O marido da enfermeira, Garant Afonso de Oliveira, falou sobre a maior preocupação da família. “É uma luta árdua e pesada a nossa. Só sabe quem já passou. É um melanoma maligno, um câncer devastador que atinge os vasos sanguíneos e se espalha rapidamente. É um dos mais perigosos que tem”, disse.

A defensora pública Giselda Moraes, que cuida do caso, disse que vai ingressar novamente com um pedido na justiça para que haja o bloqueio das contas da Secretaria. “A burocracia que o Estado diz que existe, não existe, porque o juiz despachou com dispensa de licitação. Depois de 20 dias que eles não cumpriram, a justiça renovou a ordem. Agora, vamos pedir o bloqueio das contas, que funciona assim. A Justiça bloqueia o valor nas contas do Estado, libera um alvará e repassa o valor para os médicos do Hospital realizarem a compra”, explicou.

Segundo ela, a distribuidora do medicamento fica em João Pessoa. “A injeção é Yervoi, do laboratório Britol. A distribuidora é a Elfa, que fica em João Pessoa, na esquina do Palácio do Governo. E um remédio para um estágio muito grave de câncer, que só vende diretamente na distribuidora”, disse a defensora.

O que diz o governo

A Assessoria da Secretaria Estadual de Saúde informou apenas que o medicamento está em processo de compra, mas está tentando viabilizar mais rapidamente à paciente uma injeção que iria para outro paciente.

Leia Mais

Relacionadas