sábado, 23 de janeiro de 2021

Saúde
Compartilhar:

Outubro Rosa: mulheres esperam até um ano por uma biópsia para confirmar câncer

Aline Martins / 01 de outubro de 2015
Foto: Rafael Passos
Mulheres paraibanas com suspeita de câncer de mama esperam até um ano por uma biópsia para confirmar a doença e começar o tratamento. Uma situação preocupante, pois o tratamento só pode ser iniciado após o resultado do laudo do exame.

O acesso ao serviço médico no início da doença é decisivo para a cura. Pensando nisso, neste ‘Outubro Rosa’, mês dedicado à prevenção do câncer de mama, a ONG Amigos do Peito realiza a campanha “Dê uma chance a elas”.

O objetivo é obter recursos para aquisição de materiais para realização do exame, que custa em torno de R$ 600. A abertura da campanha será às 9h de hoje, no Hospital Napoleão Laureano, em Jaguaribe, na Capital.

A médica mastologista e presidente da ONG Amigos do Peito, Joana Barros, revelou que são poucos os locais onde as mulheres podem fazer biópsia pelo SUS e, por conta disso, há uma demora. “A gente observou que há uma demanda reprimida de pacientes que precisam realizar biópsias e que não acontece por falta de recursos. Sabendo que sem a biópsia você não consegue iniciar o tratamento, a gente vai fazer essa campanha buscando agilizar o tratamento dessas mulheres e tentar salvar a vida delas, porque o tempo é um fator importantíssimo para a cura”, ressaltou.

Como vai funcionar. Na campanha, as pessoas podem adquirir produtos (camisas, canetas, broches...). Todo o lucro será revertido para a compra de materiais para a realização das biópsias. Os exames serão realizados no Hospital Napoleão Laureano.

750 é o total de novos casos de câncer de mama na PB, previstos pelo Inca para este ano.

Produtos: Onde adquirir em JP

▶ Hospital Napoleão Laureano

▶ Pró-Mulher

▶ Nova Diagnóstico

▶ Loja Santa Nina

Sem resposta

A reportagem procurou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS-JP) para saber o motivo da  falta de acesso das mulheres à biópsia, através da assessoria de imprensa, mas até o fechamento desta edição não teve resposta.

Relacionadas