segunda, 17 de junho de 2019
Geral
Compartilhar:

Sarau em homenagem a Ronaldo Monte reúne artistas em JP

André Luiz Maia / 05 de janeiro de 2019
Foto: Acervo Pessoal
O ano que passou levou consigo muitos nomes importantes para a cultura e Ronaldo Monte é um deles. Aqui na Paraíba, ele contribuiu para a cena literária local, se desdobrando em diversas frentes e gêneros de escrita. Como uma maneira de reverenciar isso, acontece o sarau Ronaldo Monte - Poesia e Ser Presentes, reunindo familiares, amigos e leitores do escritor e psicanalista, morto em agosto.

A ideia é que a tarde seja uma espécie de recital lítero-musical, reunindo declamações de poesias de Monte e interpretação de canções contendo seus versos, musicadas por diversos artistas paraibanos. Os primeiros que chegarem ao sarau também ganharão uma cópia de seu último livro publicado em vida, Manual Prático de Desaparecimento & Outros Poemas, pela editora Patuá.

“É um livro que reúne poemas escritos desde 1994 até seus últimos dias de vida, essencialmente sombrio, já que traz temáticas como a forma de enfrentar a própria morte. Por também ser psicanalista, ele tinha arcabouço para falar sobre isso”, explica o escritor Antônio Mariano, um dos organizadores do evento.

O poeta, professor universitário e psicólogo Ronaldo Monte, nascido em Alagoas e radicado na Paraíba, faleceu aos 71 anos. Ao longo da vida, escreveu livros que passeavam pelo campo da poesia, do conto, da crônica e do romance, a exemplo de Memória do Fogo e de obras infantojuventis, como A Menina na Noite, com ilustrações de Veruschka Guerra, e A Paixão Insone, com desenhos de Flávio Tavares.

Seus poemas infantis também foram musicados pelo grupo Meu Quintal e outras de suas poesias ganharam vida através da interpretação de diversos cantores e compositores. “Hoje, a gente vai contar com a presença de artistas como Adeildo Vieira, Milton Dornellas e Totonho”, completa Mariano.

Dornellas é um de seus grandes parceiros e amigos, se conhecendo há mais de 30 anos. Juntos, compuseram canções como “Talo de capim” e “Mandrágora”. Outro trabalho em conjunto da dupla é Eu Me Declaro Criança, em que Milton musicou as poesias feitas por Monte com base nos princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Relacionadas