quinta, 18 de julho de 2019
Geral
Compartilhar:

Raquel Dodge está disposta a ficar na PGR

Agência Brasil / 08 de junho de 2019
Foto: Marcelo Camargo/ABR
A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse ontem que está “à disposição” para uma eventual recondução ao cargo de chefe do Ministério Público Federal. Ela disse que não tem feito nenhuma articulação para se manter no cargo, mas que a permanência seria bem-vinda. O mandato de Raquel Dodge na PGR termina em setembro. Questionada se conversou com o presidente Jair Bolsonaro sobre o tema, a chefe do MP negou.

Raquel Dodge disse que a consideração, ou não, da lista tríplice enviada pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) ao Presidente da República é uma prerrogativa do chefe do Executivo. “É uma decisão do presidente, definida na Constituição”, disse.

A procuradora-geral foi indicada para o cargo pelo então presidente Michel Temer, em 2017. Ela ficou em segundo lugar pela indicação dos pares.

A lista tríplice foi criada em 2001 e é defendida pelos procuradores como um dos principais instrumentos de autonomia da carreira. De acordo com a Constituição, o presidente da República pode escolher qualquer um dos procuradores em atividade para o comando da PGR. De 2003 a 2017, o nomeado foi o mais votado pelos membros da ANPR.

Raquel Dodge participou da abertura da 4ª Conferência Regional de Promotoras e Procuradoras de Justiça dos Ministérios Públicos Estaduais da Região Sudeste, na capital paulista. A inciativa tem como objetivo colher diagnósticos e promover a troca de boas práticas e experiências referentes à equidade de gênero no sistema de Justiça brasileiro.

Disputa

Os Candidatos à PGR criticaram a possibilidade da recondução ao cargo da atual procuradora-geral, Raquel Dodge, fora da lista tríplice eleita por procuradores federais. A votação está marcada para o dia 18.

Ao contrário dos dez procuradores que participaram do debate hoje, Dodge não se declarou candidata a mais um mandato de dois anos - o dela termina em setembro.

No entanto, recentemente sinalizou estar disponível a prosseguir no cargo ao dizer que continuaria “a serviço” da instituição e do país. O procurador-geral ou procuradora-geral será escolhido(a) pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) - de cuja equipe Dodge teria recebido um aceno no sentido de que poderia ser novamente indicada ao cargo.

Para o subprocurador-geral Mário Bonsaglia, que figurou nas últimas duas listas tríplices para a PGR, uma eventual recondução de Dodge causará “surpresa, porque ela participou da eleição de 2017 e se comprometeu com a lista”.

Para o procurador Vladimir Aras, Dodge “deveria estar conosco debatendo, se legitimando”, como Antônio Fernando, Roberto Gurgel e Janot.

Relacionadas