segunda, 12 de abril de 2021

Geral
Compartilhar:

Ex-prefeita do Conde envolvida em escândalo do cheque

Alexandre Kito / 28 de julho de 2017
Foto: Divulgação
A compra em joias pagas com cheques sem fundo no valor de R$ 288.250 é mais um escândalo que envolve a gestão da ex-prefeita do Conde, Tatiana Lundgren Correia. A ação pesa contra o grupo liderado pela ex-gestora e é alvo de uma ação judicial no Ministério Público. O processo diz que três de quatro cheques usados para garantir o pagamento foram emitidos por pessoas envolvidas em negociações suspeitas realizadas por ela. Comente no fim da matéria.

A compra realizada na Capital ocorreu no mês de maio do ano de 2014. Na ocasião, os compradores emitiram quatro cheques para o pagamento, que estavam em nomes de três pessoas diferentes. Segundo o processo, apenas um dos cheques estava no nome de Tatiana Correia, no valor de R$ 37,5 mil. O coordenador do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), Octávio Paulo Neto, afirmou que a ação judicial que envolve o grupo liderado pela ex-prefeita do Conde está sendo investigado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB). "Ele será analisado no conjunto dos fatos da investigação, pois revela gastos acima da capacidade financeira", explicou o promotor.

Outros dois cheques, no valor de R$35 mil cada, foram assinados pelo ex-subprocurador do Conde, Francisco Cavalcante Gomes. E um quarto cheque, no valor de R$ 130.750, assinado por Daysiane Ferreira Sousa, esposa de Clodoaldo Fernandes, suspeito de ser operador dos esquemas de lavagem de dinheiro na Prefeitura Municipal. O promotor do Gaeco, Octávio Paulo Neto, disse ainda que o Ministério Público do Estado pediu uma série de medidas para a investigação da gestão. "Medidas as quais foram indeferidas, pelo juízo do Conde. Mas recorremos e agora estamos aguardando o pronunciamento", revelou Octávio Neto.

A operação que investiga a administração realizada por Tatiana Correia é semelhante a que ocorreu contra o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB). A denúncia feita no mês passado envolveu também a mulher dele, a advogada Adriana Ancelmo, além dos assessores Luiz Carlos Bezerra e Carlos Miranda, por lavagem de dinheiro cometida com a compra de jóias em espécie, sem nota fiscal ou certificação nominal.

A gestão de Tatiana Correia vem sendo investigada pelo MPPB e pela Polícia Civil há algum tempo. Na quarta-feira uma operação conduzida pelo Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil em conjunto com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado conduziu a ex-secretária de finanças da cidade do Conde, Andrea Soares da Silva, suspeita de participar de uma organização criminosa responsável por lavagem de dinheiro e desviar mais de R$ 3 milhões no município. Durante depoimento, ela confessou que emprestou o nome para que a ex-prefeita comprasse um imóvel na cidade.

Ela foi procurada pela reportagem do CORREIO para comentar o caso, mas não foi encontrada até o fechamento desta edição.

Relacionadas