quinta, 03 de dezembro de 2020

Geral
Compartilhar:

Sem teto ocupantes de prédio abandonado protestam contra corte de energia

Luana Barros / 22 de dezembro de 2015
Foto: Assuero Lima
O pessoense enfrentou mais um dia de protesto em menos de uma semana. Nessa terça-feira (22) foi a vez de famílias sem teto que ocupam o antigo Hotel Tropicana promoverem uma manifestação que afetou o trânsito no Centro de João Pessoa. Quem precisou passar pelo local enfrentou um bloqueio feito com pneus e móveis velhos em chamas no cruzamento das ruas Professora Alice Azevedo com as Trincheiras. Cerca de 100 famílias vivem ilegalmente no local. Na última quinta-feira (17), vendedores ambulantes realizaram um protesto que parou o Centro da cidade.

A revolta dos ocupantes do Hotel Tropicana foi motivada pelo corte de energia. Segundo Elsa Almeida de Sousa, moradora do local, uma equipe da Energisa, acompanhada da Polícia Militar, esteve no prédio e mandou cortar o fornecimento da energia. "Aqui moram grávidas, idosos, crianças e pessoas doentes. Não sei como nós vamos dormir hoje, aqui tem muita muriçoca e os idosos precisam tomar nebulização", disse.

Juliana Cruz da Silva, também moradora do local, contou que as famílias que ocupam o local já foram cadastradas várias vezes para receber casas, mas a moradia ainda não chegou. "Eu tenho quatro filhos, um deles está muito doente, não posso ligar nem o ventilador, as muriçocas picando ele. Já fiz meu cadastro da casa, e a prefeitura só faz prometer, mais até agora nada, e sempre passamos por esse tipo de situação", contou.

Ligação clandestina oferecia perigo

Em nota, a Energisa informou que o fornecimento de energia para o antigo Hotel Tropicana foi suspenso por se tratar de imóvel invadido e ocupado irregularmente pelas famílias. No local, segundo a empresa, foram detectadas ligações elétricas clandestinas, com grave risco de choque elétricos e incêndios.

 

“Além do crime de furto de energia, previsto no Código Penal e que causa prejuízo para todos os clientes, os ocupantes do imóvel colocam-se em risco, conforme aponta relatório pelo Corpo de Bombeiros Militar da Paraíba. A Energisa aguarda a apresentação de toda a documentação pertinente à regularização do imóvel e um novo relatório do Corpo de Bombeiros para reestabelecer o fornecimento de energia”, diz a nota.

 

 

Relacionadas