quinta, 06 de maio de 2021

Paraíba
Compartilhar:

Surdos lutam pela inserção da linguagem de sinais e por intérpretes em provas

Júlio Silva / 25 de setembro de 2015
Foto: Nalva Figueiredo
Amanhã é o Dia Nacional do Surdo. A Paraíba, segundo o último Censo do IBGE, tem 230.140 pessoas com esta limitação. Eles enfrentam dificuldades no aprendizado nas escolas, que nem sempre têm intérprete da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras) e reclamam que em situações como o Enem e a prova para tirar a carteira de habilitação, não têm direito a um intérprete para a prova.

Mesmo assim, vêem alguns avanços como o reconhecimento da Libras por lei como língua oficial dos surdos, garantindo a divulgação da linguagem e a inclusão dos surdos na educação.

A vida de Wilta Fernandes, 32, é uma constante luta para entender o que os outros falam e se fazer entender. Ela começou a aprender Libras com cinco anos de idade e antes só se comunicava com a família por gestos. “Eu fiz o Enem e não consegui passar. A minha dificuldade é a mesma de todos os surdos: é preciso colocar um intérprete para ‘traduzir’ a prova (para Libras). Já tentei tirar carteira de habilitação também e não consegui, as aulas podem ter intérprete, mas na hora da prova, não aceitam”, relatou.

O Centro de Apoio ao Surdo, da Funad, forma intérpretes para surdos em um curso de duração de um ano. No ano passado, 60 se formaram.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas