quarta, 23 de setembro de 2020

Paraíba
Compartilhar:

Quadrilha lavava dinheiro da previdência com ‘sabão’

Redação / 10 de setembro de 2015
Foto: Antônio Ronaldo
Uma fábrica de sabão. Essa era uma das empresas utilizadas pelos acusados de fraudar a previdência para lavar o dinheiro desviado.O esquema foi desbaratado nessa quarta-feira (09) pela Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público Federal e Ministério da Previdência Social, durante a Operação Fanes. Vinte e oito pessoas foram presas e entre elas um funcionários do INSS, dois empresários e uma agente comunitária de saúde.

LEIA MAIS: PF prende 28 pessoas acusadas de fraudar a previdência

De acordo com a polícia, o esquema funcionava da seguinte forma: o funcionário do INSS lançava dados falsos no sistema para gerar benefícios. Ou seja, eles aumentavam a folha do Instituto com beneficiários fantasmas. Foram, pelo menos, 185 fraudados, sendo que 33 benefícios eram pensões por morte no valor de R$ 4 mil. Os demais,aposentadorias rurais de um salário mínimo.

Durante todo o dia de ontem a Polícia Federal cumpriu 17 mandados de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 30 de busca e apreensão em sete cidades paraibanas.

O esquema começou a ser desbaratado depois que uma agricultora procurou o INSS, em Campina Grande, e denunciou a existência de empréstimo feito no nome dela. Ela disse que se aposentou por intermédio de uma agente de saúde.

"Ela nos relatou que mesmo sendo aposentada nunca tinha entrado numa agência do INSS. Isso é praticamente impossível de acontecer", informou o gerente executivo do INSS, em Campina Grande, Eleumar Meneses Sarmento.

*Fanes - o nome da operação faz referência ao mito grego da 'criação', uma vez que os investigados 'criavam' beneficiários da Previdência Social.

Relacionadas