domingo, 20 de setembro de 2020

Paraíba
Compartilhar:

Paraíba registra crescimento nos casos de Aids e congresso discute a doença

Redação / 16 de novembro de 2015
Foto: Divulgação
A Paraíba será palco para mais um evento de porte mundial a partir desta terça-feira (17). Especialistas de toda a parte do mundo estarão no Estado para debater a Aids e a hepatite. Será no 10º Congresso de HIV/Aids e do 3º Congresso de Hepatites Virais, prevista para as 16h, no Teatro Pedra do Reino, no Centro de Convenções de João Pessoa. De acordo com dados do Ministério da Saúde, em três anos houve um crescimento no número de casos de HIV/Aids na Paraíba. Enquanto em 2013 foram registrados 409 casos, em 2015 já são 672 os confirmados.

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, a secretária Estadual de Saúde, Roberta Abath, e o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais (DDAHV) do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita, confirmaram presença no evento.

O 10º Congresso de HIV/Aids e do 3º Congresso de Hepatites Virais serão promovidos pelo Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) e o Governo da Paraíba. A expectativa é que compareçam três mil pessoas do Brasil e de todo mundo, entre trabalhadores da saúde, professores universitários, estudantes de pós-graduação e a população chave, a exemplo de usuários vivendo com HIV/Aids ou Hepatites, profissionais do sexo, travestis, transexuais, jovens gays, etc.

O Congresso de Aids é realizado desde a década de 90. Nas nove edições anteriores, o foco sempre foi a prevenção. O que muda a partir deste ano é que se torna um evento que debaterá todos os aspectos da resposta à epidemia: novas técnicas de diagnóstico, novos tratamentos, novas pesquisas, profilaxias pré e pós-exposição.

Já o Congresso de Hepatites Virais está na terceira edição e só cresce em importância. Isso porque, em relação à hepatite C, o Brasil e o mundo vivem em 2015 um momento sem precedentes, com a alta possibilidade de cura trazida por novos medicamentos e o compromisso assumido pela OMS, que pretende erradicar a doença até 2030.

Relacionadas