sexta, 27 de novembro de 2020

Paraíba
Compartilhar:

Paraíba na rota da droga no Nordeste; Cajazeiras se destaca em apreensões

Renata Fabrício / 26 de dezembro de 2015
Foto: Assuero Lima
Uma das cidades mais importantes no Alto Sertão do Estado, Cajazeiras, tem se destacado no número de apreensões de droga, e por isso é considerada uma das principais rotas do tráfico de drogas do Estado. Mais de 70% da droga apreendida no Estado pelas Polícias Civil e Militar foram Cajazeiras e região. De janeiro até novembro, 1 tonelada e 100 quilos de drogas foram apreendidas.

Dentre 120 prisões realizadas este ano somente pelo Grupo Tático Especial (GTE), pelo menos 70 estão relacionados com o tráfico de drogas.

Para o delegado seccional George Wellington Júnior, o fato de Cajazeiras ser a principal rota do tráfico está explicada no mapa. “Cajazeiras já era uma rota. Não está se tornando. A cidade já vem sendo há alguns anos, e a explicação é a proximidade com a BR-116, uma rodovia federal de integração nacional. Além disso, várias estradas vicinais atingem Cajazeiras. Essa situação colabora para que a cidade seja a rota do tráfico no interior e a torna um depósito para redistribuir drogas”, explicou.

A BR-230, que passa por Cajazeiras, liga a cidade até a BR-116, uma das principais rodovias brasileiras, com mais de 4,5 mil quilômetros de extensão e corta 12 estados do país. Os principais destinos para o escoamento da droga que passa pela Paraíba, além dos municípios do Estado, são Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. “Não há como mensurar quanto da droga seria consumida no Sertão”, disse.

Droga. Na semana passada, um dia depois da Operação Acefalia, a Polícia apreendeu 1kg de crack e 50 gramas de maconha. A apreensão não chegou nem perto da mais volumosa, realizada no feriado de 7 de Setembro deste ano. Quase 800 quilos de droga, escondidas em caminhão baú seriam distribuídos para cidades do interior da Paraíba, segundo apurou a Polícia Civil.

Segundo o delegado que coordena a região, entre as maiores dificuldades de prender as pessoas que coordenam o tráfico na região, está na localização dos traficantes e na cobertura que parte das comunidades dão aos acusados.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas