terça, 26 de janeiro de 2021

Paraíba
Compartilhar:

Bandidos bloqueiam alarme para roubar carros e ficam conhecidos como ‘Chapolin’

Aline Martins e Wênia Bandeira / 07 de novembro de 2015
Foto: Rafael Passos
Chapolin é o apelido do bloqueador de alarmes que está sendo usado por bandidos para roubar carros ou os pertences dentro dele. Nas redes sociais, várias pessoas postaram que foram vítimas de roubos ou tentativas, mas nenhum caso com o uso desse equipamento foi registrado pela Polícia Civil. Apesar da falta de registros, a polícia diz que está investigando o uso do dispositivo na cidade. O delegado de Roubos e Furtos de Veículos, Luiz Eduardo Montenegro, explica que o hábito de verificar se o botão de alarme do carro acionou o travamento das portas, antes de dar às costas ao veículo é importante para evitar os roubos.

A aposentada Luana Alvarenga Lima acredita que foi vítima dessa nova modalidade de roubo, em maio deste ano, em um supermercado da Capital, quando teve objetos furtados. “Eu e meu marido deixamos o carro parado e alarmamos. Pouco tempo depois, meu marido voltou para deixar o bebê-conforto e alarmou o carro novamente. Depois, o pessoal do supermercado chama a gente dizendo que o carro estava aberto e objetos jogados no chão. Quando chegamos tinham levado várias coisas”, relatou.

Luana revelou que não tinha o costume de voltar para verificar se o carro estava travado, mas agora redobrou a atenção e verifica se o carro está totalmente fechado.

Atenção. Luiz Eduardo afirma que algumas pessoas costumam alarmar o veículo à distância e não conferir se realmente fechou. O delegado explicou que o equipamento é semelhante a um chaveiro e tem a função de bloquear a ação do alarme. Ele emite ondas magnéticas que anulam a ação das travas. O delegado adjunto de Defraudações e Falsificações, Ragner Magalhães, complementa que alguns dos aparelhos utilizados são capazes de clonar o controle. Desta forma, é preciso verificar qual a tecnologia usada pelo controle, já que alguns já modificam o código de travamento a cada acionamento.

Luiz Eduardo informou que, na Paraíba, a prática não está tão difundida, mas nos estados vizinhos já existem casos. “Estamos investigando esses bloqueadores, principalmente no meio de flanelinhas, na praia, onde ocorrem furtos de veículos. Não conseguimos localizar esse tipo de equipamento”, disse o delegado

Quem procurar. As pessoas que encontrarem o seu carro sem os objetos devem procurar a delegacia distrital mais próxima. “As vítimas poderão ser atendidas mais rapidamente e, caso necessário, encaminhadas para a delegacia de Roubos e Furtos de Veículos”, explicou Ragner.

Leia mais no jornal Correio da Paraíba

Relacionadas