quinta, 26 de novembro de 2020

Paraíba
Compartilhar:

Aos leitores do Jornal Correio da Paraíba

30 de janeiro de 2016
Foto: Divulgação






Aos leitores

Enquanto 2015 chegava para mudar a realidade do Brasil e dos brasileiros, o Sistema Correio também mudava.

Crescia.

Seis décadas de história, construídas com credibilidade e estreita cumplicidade dos paraibanos, nos permitiram, em 2015, modernizar a leitura do Jornal Correio com reforma gráfica e levar, aos campinenses, a TV Maior.

Também viabilizaram o surgimento do site do Jornal Correio, amplificando nossas produções de informações ancoradas na internet.

2016 promete novas mudanças.

O Sistema Correio também. Vamos continuar os investimentos na implantação do sistema higt definition (HD) da TV Maior e da TV Correio em Campina Grande. E seguir aumentando nossa presença no universo virtual.

Reordenamentos – obviamente - serão necessários.

Nenhum gestor pode fechar os olhos e ignorar os sinais vitais que são emitidos deste organismo vivo chamado Brasil.

Não ignoramos.

Estamos sintonizados. E como poderia ser diferente?

Das nossas televisões e rádios, dos nossos jornais e portais de notícias, traçamos dia a dia a fisionomia da crise – e sabemos, em primeira mão, com que níveis de competência, senso de oportunidade e engenhosidade são formados o guarda-chuva que nos protegerá e nos conduzirá a tempos com melhores condições de temperatura e pressão financeiras.

Esta sintonia fina com a realidade econômica do País nos levou a tomar a decisão de suspender a circulação da edição das segundas-feiras do Jornal Correio, reforçando, porém, os conteúdos de sua versão eletrônica.

Esta conexão com a realidade nacional também nos levou a alterar o preço de capa do jornal – cujos valores permaneceram estáticos por mais de catorze anos.

Um feito, aliás, que não encontra correspondência em qualquer outro produto ou serviço desenvolvido no Brasil. Especialmente neste período em que os brasileiros foram obrigados a, mais uma vez, encarar a famigerada inflação.

A partir de agora, nossas capas de terça a sábado sairão dos R$ 1,50 praticados ao longo de todo esse período para R$ 2,00. E a capa de domingo sairá dos quase eternos R$ 2,50 para R$ 3,00 - um repasse mínimo, porém necessário, em função do atrelamento dos custos do papel com a volatilidade sempre crescente do dólar.  Só para ilustrar, a moeda americana registrou, ao longo dos últimos cinco anos, apreciação de 147,43% diante do Real. Nos últimos doze meses, a variação atingiu 58,31%

Este é o cenário brasileiro – e as ações realistas que ele efetivamente demanda.

Capturá-lo, interpretá-lo e ventilá-lo é parte de nossa missão enquanto empresa de comunicação – um sistema amplo, vertiginoso e dinâmico que seguirá, em qualquer tempo e cenário, esta relação tão íntima, estreita e vitoriosa com os paraibanos.

Novas mudanças virão. E temos plena convicção de que serão promissoras.

Pois nosso maior patrimônio – a confiança dos paraibanos – é imune aos ventos que sopram hoje sobre nosso País.





Relacionadas