terça, 16 de julho de 2019
Espetáculo
Compartilhar:

O espetáculo ‘Ópera do Malandro’ homenageia Jackson do Pandeiro

Rammom Monte / 27 de março de 2019
Foto: Divulgação
Se é samba que eles querem, eu tenho. Também tem baião, coco, xote, arrastapé, xaxado e até ópera — mais precisamente a Ópera do Malandro. O espetáculo do Grupo Teatral Bichoderruma, de Alagoa Grande, homenageia um conterrâneo ilustríssimo, Jackson do Pandeiro, e será encenado mais uma vez nesta quarta-feira (27) no Teatro Lima Penante, em João Pessoa, em data que celebra o Dia Mundial do Teatro.

As apresentações acontecem às 8h, 10h, 14h, 16h e 19h30 e as entradas custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia entrada). Os quatro primeiros horários são reservados para estudantes de escolas públicas, porém, a direção do espetáculo também abrirá a bilheteria para os interessados.

A Ópera do Pandeiro é um espetáculo narrativo poético- musical. Inicia-se como um auto de natal paraibano para contar o nascimento do menino José, o Jackson do Pandeiro, na cidade de Alagoa Grande, conhecida como a terra onde o sapo não canta. Evidencia-se, assim, um guerreiro aboiador e sua narrativa cordelesca, um profeta que anuncia o predestinado. Além de brincantes, bufões e muita celebração para a chegada do menino.

O pós-nascimento mostra as suas passagens, a começar pelo presságio de uma cigana, a sua primeira escola na feira com a mãe, Flora Mourão, tocando ganzá. Em seguida, o Cassino Eldorado em Campina Grande, a rádio Tabajara em João Pessoa, a explosão do seu primeiro sucesso em Recife e a culminância no Rio de Janeiro.

“A encenação que é feita ao vivo por atores, dançarinas e cantores e vislumbra a autenticidade regional, uma linha autoral com artistas locais e letras eternizadas por Jackson e seus ritmos diversos. Dezesseis artistas se revezam durante 60 minutos entre vertigens e encantamentos mergulhados na essência de Jackson e cultura nordestina”, declara o diretor Mizael Batista.

Com cenários práticos e adereços diversificados, o espetáculo resgata, não apenas, a trajetória do rei do ritmo, mas também a cultura nordestina com elementos regionais, além dos brincantes.

O objetivo da montagem da Ópera do Pandeiro é proporcionar ao público uma vivência da vida e obra deste ícone da música paraibana e brasileira, que completaria 100 anos este ano. O produtor Valdir Santos lembra que o espetáculo surgiu em 2014, na cidade natal de Jackson. Valdir prometeu um espetáculo que mistura muita música e dramaturgia.

“O início do espetáculo é preparando o publico para a entrada de Jackson. Ele propriamente dito, só entra quase na metade do espetáculo”, revelou.

Além das apresentações de hoje, o espetáculo também participará do encerramento da Mostra Estadual de Teatro, Dança e Circo, no sábado, às 20h, no Teatro Santa Roza. Além disto, há outras datas reservadas na agenda.

“Temos uma agenda bem intensa neste ano. São inúmeras apresentações, não só no estado como fora também. E já tem uma agenda em Alagoa Grande, Campina Grande, João Pessoa, Recife, Rio de Janeiro e Brasília, que foram as cidades por onde ele passou”, disse Valdir, que revelou ainda que eles foram convidados para apresentar a peça na Alemanha, mas que estão em busca de recursos para custear a viagem.

Homenagens a Jackson. O ano marca o centenário de Jackson do Pandeiro e várias homenagens foram preparadas para o Rei do Ritmo. Dentre elas estão shows especiais, lançamento de um documentário sobre a obra do artista, entre outros. A Assembleia Legislativa da Paraíba aprovou, por unanimidade, o projeto de Lei, de autoria do deputado Ricardo Barbosa (PSB), que institui 2019 como Ano Jackson do Pandeiro.

"Jackson do Pandeiro influenciou muitos artistas, como Geraldo Azevedo, Alceu Valença, Gilberto Gil e até hoje vem influenciando gerações. Isto é de uma riqueza muito grande", declarou o produtor do espetáculo, Valdir Santos.

E uma comissão do Governo do Estado que vai organizar as atividades em torno do centenário já começou a se reunir — a primeira reunião ocorreu segunda, na Fundação Casa de José Américo. A comissão reúne vários órgãos do governo, como a Secretaria de Cultura, a Funesc, a PBTur, a UEPB, entre outros.

Entre os eventos que já estão em andamento, está a montagem de um novo musical que celebra a vida e a obra de Jackson, com texto em cordel do jornalista Astier Basílio. A previsão de estreia em Campina Grande é para o meio do ano.

Ópera do pandeiro

Do grupo Bichoderruba

Texto e direção: Misael Batista

Quarta-feira (27), às 8h, 10h, 14h, 16h e 19h30.

Teatro Lima Penante (Av. João Machado, 67, Centro, João Pessoa)

Ingressos: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

Sábado, às 20h.

Teatro Santa Roza (Pça. Pedro Américo, Centro, JP)

Ingressos: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

Relacionadas