segunda, 10 de maio de 2021

Geral
Compartilhar:

Encontro reúne podcasters na Paraíba; conheça programas do ‘dial’ da internet

André Luiz Maia / 27 de julho de 2018
Foto: Divulgação: Fernanda Eggers
Na era do visual, o podcast aparece nadando a braçadas na contramão. Formato que se assemelha a um programa de rádio, mas que se desdobra em um leque de possibilidades na internet, a modalidade anda ganhando espaço e, mais importante ainda, ouvintes. De olho nisso, os realizadores paraibanos deste tipo de mídia decidiram se unir no primeiro Encontro da Podosfera Paraibana.

O evento acontece no Iesp e serve para reunir essa classe para conversar sobre os avanços e peculiaridades da mídia. A organização é de Fernanda Eggers, do Despautada, e Lincoln Ferdinand, host do Pipocaria, podcast do Pipocas Club. Além deles, confirmaram presença representantes dos podcasts PodCrer (Rio Tinto), Balaio de Nerd (Campina Grande), 3 é Demais e Nerdebate (João Pessoa).

Fotógrafa e jornalista, Fernanda Eggers criou o Despautada com o objetivo de ter um espaço para comentar assuntos diversos, sem uma temática delimitada. Aos poucos, veio a curiosidade de conhecer pessoas que estavam fazendo o mesmo que ela.

"Não conhecia podcasts feitos na Paraíba e estava muito empolgada com a mídia. Conversando com Lincoln, decidimos criar um grupo. Vendo o trabalho do pessoal, pensamos em aproveitar o espaço do Iesp, que está de férias, para fortalecer esse grupo, criar uma comunidade, promover crossovers”, explica.

Plural. Ultimamente, o fenômeno está ganhando força, com podcasts para todos os gostos. Há podcasts jornalísticos, sobre cultura, entretenimento, política, história, religião, jogos e até mesmo podcasts de ficção. “As possibilidades são inúmeras. Tendo um microfone e a vontade de falar sobre algo, tem muitas possibilidades. Tem uma produção de ficção brasileira voltada para podcast chamada 1986, um conteúdo original todo pensado para esse tipo de mídia”, lembra Fernanda Eggers.

O formato podcast não é exatamente algo novo. O fenômeno surgiu em 2004 nos Estados Unidos. Diferente de uma webrádio, o podcast é um programa formatado de maneira específica, normalmente episódica. Na estrutura técnica, um podcast pode lembrar um programa de rádio, por ter vinhetas, blocos, temáticas, mas não é uma regra.

No Brasil, o representante mais antigos ainda em atividade é o Nerdcast, criado em 2006 como um complemento do blog Jovem Nerd, discutindo cultura nerd. De lá para cá, surgiram diversos outros, como Um Milkshake Chamado Wanda, do portal Papelpop, sobre cultura pop; Podmaníacos, do site Sériemaníacos, sobre seriados; Rapaduracast, do Cinema com Rapadura, sobre a sétima arte; Braincast, sobre tecnologia; Mamilos, discutindo pautas do cotidiano e temáticas como feminismo; e Filhos da Grávida de Taubaté, de entretenimento, com os youtubers Maíra Medeiros e Diva Depressão.

Aqui na Paraíba, temos como exemplo o Despautada, de Fernanda Eggers. “Eu dei o nome de Despautada porque eu queria um lugar para falar qualquer coisa que eu quisesse sem uma temática estabelecida, mas falo bastante sobre cultura e entretenimento, sempre fazendo um paralelo com ou uma crítica à nossa sociedade", descreve.

Na área da cultura pop e geek, o Pipocas Club criou o Pipocaria, um local para conversar sobre filmes, séries e tudo o que engloba este universo. O publicitário e social media Lincoln Ferdinand comanda o programa. "A pretensão é que seja uma conversa mais livre dentro dessa área, mas com abertura pra reflexões e discussões diversas. Não com papo de especialistas, mas de amigos que amam os assuntos abordados e adoram falar sobre. Conversar é com a gente mesmo”, brinca.

Expansão. A mídia está ganhando força agora em 2018, inclusive com promessas de que este seria o ano dos podcasts. Ainda estamos na metade, mas um sinal positivo a respeito disso foi dado pela Google, uma das maiores empresas de tecnologia para a internet do mundo.

O aplicativo Google Podcast funciona como um agregador, um espaço centralizado para consumo deste tipo de mídia. Para Lincoln Ferdinand, a popularização do podcast se dá por sua versatilidade e praticidade. “Essa característica da nova geração, de ser muito prática, fazer muitas coisas ao mesmo tempo e não querer desperdiçá-lo, faz do podcast uma boa pedida, visto que você pode consumi-lo realizando outras atividades menores. É como estar conversando com amigos. Eu costumo ouvir no trânsito ou fazendo tarefas domésticas”, analisa.

Acessar esses conteúdos nunca esteve tão fácil, já que, ao invés de baixar, é possível ouvir por streaming. Dado o caminho das pedras, basta apertar o play.

Relacionadas