segunda, 20 de maio de 2019
Geral
Compartilhar:

Dnit modifica projeto de triplicação na BR-230 e cancela ciclovia

Ainioã Geminiano / 17 de abril de 2019
Foto: Nalva Figueiredo
O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit-PB) mudou parte do projeto de triplicação da BR-230 e não irá mais desapropriar casas em Cabedelo, na Região Metropolitana de João Pessoa. A ciclovia que seria construída na lateral da rodovia provocaria a retirada de muros e partes de algumas casas, no Centro de Cabedelo, mas o equipamento foi retirado do projeto. Em um encontro com o superintendente do Dnit-PB, Rainer Branco, o prefeito Vítor Hugo se comprometeu a construir a ciclovia em outro local, como parte de um novo plano de mobilidade que pretende implantar na cidade portuária.

O projeto de triplicação da BR-230 vai do quilômetro zero, em Cabedelo, até o quilômetro 28, no viaduto das Três Lagoas, no bairro de Oitizeiro. A discussão estava no trecho dos primeiros dois quilômetros, que ficam dentro de Cabedelo, onde não há espaço suficiente para a rodovia alargada, com equipamentos assessórios, a exemplo de uma ciclovia. Por conta disso, o Dnit decidiu pedir a desapropriação de partes de casas e alguns prédios públicos, a exemplo do Fórum da cidade e do prédio do Ministério Público Estadual. A decisão provocou protestos de moradores e até uma ação movida no Ministério Público Federal (MPF) pedindo que a obra fosse embargada.

Depois de muita discussão o assunto chegou a uma solução, no final da semana passada, quando o prefeito de Cabedelo, Vítor Hugo, levou uma proposta de adequação do projeto à superintendência do Dnit, chamando para a gestão municipal a responsabilidade pela construção da passarela. Em uma rede social, o gestou publicou um vídeo anunciando a novidade para os moradores que estavam com suas casas ameaçadas. “Apresentamos um projeto alternativo que foi aceito pelo Dnit. Não teremos mais nenhuma mudança no Centro de Cabedelo. É com diálogo que se resolve e não com pneus e baderna nas ruas”, disse na gravação.

O superintendente do Dnit-PB, Rainer Branco, explicou que a proposta de suprimir a construção da ciclovia para estreitar as dimensões da BR e não mexer nas casas, já vinha sendo estudada pelo órgão, antes mesmo da proposta do prefeito. “Debatemos essa proposta em uma audiência pública no ano passado, quando já achávamos que era viável, porque não comprometia a funcionalidade da rodovia. Com a disposição do prefeito de levar a ciclovia para um projeto do município, fechamos o acordo. Também retiramos do projeto a construção do viaduto, que afetaria os prédios do Fórum e do MP. No local vamos fazer uma travessia de pista com uma rotatória, o que será suficiente”, explicou.

Rainer destacou que as desapropriações antes previstas não seriam de casas inteiras, conformou estava sendo entendido por diversos moradores. “O que iríamos precisar remover era partes de calçadas e alguns muros. Nos prédios do Fórum e do MP usaríamos um pedaço maior. Mas agora tudo fica como antes”, concluiu.

Entenda a obra. A triplicação da BR-230 inclui, além do alargamento de 28 quilômetros da pista, a construção de vias paralelas, para serem usadas em deslocamentos locais, evitando o uso da rodovia para isso, construção de 13 novos viadutos, já sem o viaduto retirado do trecho urbano de Cabedelo. Também serão construídas 14 novas passarelas para pedestres e serão feitas intervenções de alargamentos nos viadutos do Retão de Manaíra, no viaduto próximo à UFPB e no viaduto do Cristo. Com orçamento inicial de R$ 324 milhões, a obra será feita em duas etapas. “Nessa primeira etapa iremos até o viaduto de Manaíra, ficando o restante para uma segunda fase. A previsão é que essa primeira etapa esteja concluída em fevereiro de 2020”, disse Rainer.

Relacionadas