quinta, 18 de abril de 2019
Geral
Compartilhar:

CORREIO adere à campanha ‘Não Vamos Voltar’, contra a homofobia

Ainoã Geminiano / 27 de fevereiro de 2019
Foto: Assuero Lima
O Sistema Correio de Comunicação aderiu à campanha “Não Vamos Voltar”, realizada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público Federal (MPF), para combater a discriminação e o preconceito contra os LGBTQI+ (lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, transexuais, travestis, “queers” e intersex). A partir dessa semana, os veículos de comunicação do Sistema Correio exibirão um vídeo produzido pela campanha, que mostra personagens reais e voluntários, conhecidos no mundo artístico paraibano e vítimas de preconceito, em cenas de alegria, carinho e afeto.

Segundo o procurador do Trabalho, Eduardo Varandas, a campanha foi idealizada a partir de uma procura de ONGs LGBTs ao Ministério Público, com relatos de episódios de preconceito.

“O Brasil está muito polarizado ultimamente no contexto político e social, temos um receio de retrocesso naquilo que o público LGBT já conquistou como a união homoafetiva, como dos transgêneros registrarem seus nomes com o gênero com o qual se identificam e decidimos fazer uma campanha com uma mensagem de amor e afetividade mesmo. Dizer para as pessoas que elas até podem não concordar com o segmento LGBT, por ter uma visão mais tradicional da afetividade, homem, mulher e filhos, mas que têm o dever de respeitar, pois está previsto desde 1988 na Constituição Federal, que elegeu como princípio fundamental a não discriminação e a dignidade do ser humano. Não estamos trazendo mensagem nova. Talvez seja uma nova forma de expressão”, disse.

O procurador José Godoy Bezerra, do MPF, disse que a Procuradoria da Paraíba e as Defensorias Públicas também foram procuradas por pessoas do segmento LGBT, alegando medo de sair às ruas, por conta de ameaças que começam pelas redes sociais. “Aqui na Paraíba outro fator que tem chamado a atenção é a violência estatal contra os LGBTs, com Estados no País e prefeituras aqui na Paraíba, como Conde e Jericó, criando Leis que proíbem qualquer tipo de fala de professores nas escolas sobre o tema. Isso é muito preocupante. Já estamos representando pela inconstitucionalidade dessas Leis”, revelou.

A diretora executiva do Sistema Correio de Comunicação, Beatriz Ribeiro, disse que o grupo abraça a campanha, abrindo todos os espaços possíveis para essa mensagem de paz e de amor.

Relacionadas