segunda, 14 de outubro de 2019
Concurso
Compartilhar:

CORREIO traz questões de Língua Portuguesa; confira

Redação / 05 de maio de 2019
Foto: Ilustração CORREIO
COMPEC - CONCURSO IFPB - Educação Física

Língua Portuguesa

Ler o texto e responder às questões:

Um traço que deve caracterizar o ser humano, ainda não embrutecido pela própria fraqueza ou pela realidade tremenda, é a liberdade que ele se reserva de opor ao evento defeituoso, à situação decepcionante, uma força contraditória. Essa força poderia chamar-se esperança; esperança de que aquilo que não é, não existe, pode vir a ser; uma espera, no sonho, de que algo se mova para a frente, para o futuro, tornando realidade aquilo que precisa acontecer, aquilo que tem de passar a existir.

Essa força talvez pudesse ser chamada, também, de força do sonho. Mas também esse seria um nome inadequado: acima de tudo, porque não somos nós que temos um sonho e, sim, o sonho que nos tem. Ele escapa ao nosso controle, impõe-se a nós tanto quanto se insinua sobre nós essa realidade manca ou sufocante que precisa ser mudada. E é necessário termos o controle dessa mudança, algum controle. Sonhar apenas, portanto, não serve.           Estaríamos mais perto do nome adequado a essa força de contradição se pensássemos na imaginação, essa capacidade de superar os limites freqüentemente medíocres da realidade e penetrar no mundo do possível. E esta designação para aquela força não seria inconveniente se a imaginação fosse vista não como um amontoado de insanidades, diversas das provocadas pelo sonho apenas pelo fato de serem produzidas de olhos abertos, mas, sim, como uma das estruturas de sustentação da própria realidade e sem a qual esta não pode existir sob pena de retirar-se desse real aquele elemento criativo capaz de fazer da vida algo diferente de uma câmara escura, de um caixão de defunto.

Mas a imaginação necessária à execução daquilo que deve vir a existir não é a imaginação digamos comum, aquela que se alimenta apenas da vontade subjetiva da pessoa e se volta unicamente para seu restrito campo individual, detendo-se exclusivamente para propor coisas como montanhas de ouro. Tem de ser uma imaginação exigente, capaz de prolongar o real existente na direção do futuro, das possibilidades; capaz de antecipar este futuro enquanto projeção de um presente a partir daquilo que neste existe e é passível de ser transformado. Mais: de ser melhorado.

Essa imaginação exigente tem um nome: é a imaginação utópica, ponto de contato entre a vida e o sonho, sem o qual o sonho é uma droga narcotizante como outra qualquer e a vida, uma seqüência de banalidades insípidas. É ela que, até hoje pelo menos, sempre esteve presente nas sociedades humanas, apresentando-se como o elemento de impulso das invenções, das descobertas, mas, também, das revoluções. É ela que aponta para a pequena brecha por onde o sucesso pode surgir, é ela que mantém em pé a crença numa outra vida. Explodindo os quadros minimizadores da rotina, dos hábitos circulares, é ela que, militando pelo otimismo, levanta a única hipótese capaz de nos manter vivos: mudar de vida.

COELHO, Teixeira. O que é Utopia. In: FARACO, C. A.; TEZZA, C. Prática de texto para estudantes universitários. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1992, p.173.

1. Ao conceituar Utopia, Teixeira Coelho constrói sua reflexão passando pelas noções de esperança, sonho, imaginação, até chegar em imaginação utópica.

Assinale a alternativa que traduz corretamente o raciocínio do autor:



  • O ser humano é movido por uma força que o impulsiona, sempre, a tomar decisões contraditórias.


  • A imaginação utópica é a mola-mestra que move o ser humano em prol de invenções, descobertas e, também, das revoluções.


  • Todo ser humano sonha com uma vida feliz. Por isso precisa estar sempre mudando o seu comportamento.


  • A imaginação utópica, enquanto ponto de contato entre a vida e o sonho, é algo inerente a qualquer ser humano.


  • A imaginação não é necessária à realização do sonho, sem o qual o ser humano se reduz às banalidades insípidas.






  1. Quanto à Tipologia Textual, é correto dizer que o texto de Teixeira Coelho é 






  • dissertativo porque discute sérias questões do ser humano.


  • dissertativo porque simplesmente argumenta sobre o conceito de utopia.


  • dissertativo porque faz uma reflexão sobre o conceito de utopia apresentando uma seqüência argumentativa.


  • ensaístico porque o autor apresenta sua opinião pessoal acerca de utopia.


  • resenha crítica sobre a utopia.






  1. Assinale a alternativa que classifica corretamente as palavras grifadas no texto, respectivamente: Mas também esse seria um nome inadequado: acima de tudo, porque não somos nós que temos um sonho e, sim, o sonho que nos tem. 






  • Conjunção adversativa; conjunção causal; pronome pessoal do caso oblíquo.


  • Conjunções coordenativas aditivas; conjunção coordenativa explicativa; pronome pessoal oblíquo átono.


  • Conjunções coordenativas; conjunção coordenativa explicativa; pronome pessoal reto.


  • Locução conjuntiva; conjunção coordenativa consecutiva; pronome possessivo.


  • Locução conjuntiva; conjunção coordenativa final; pronome oblíquo.






  1. O texto de Teixeira Coelho obedece _______ seqüência argumentativa, __________ a conjunção mas é de suma importância para que se chegue _________ outro degrau da argumentação, _________ se sustente no anterior.




(adaptado de FARACO e TEZZA: 1992, p. 174)

A alternativa que preenche corretamente e respectivamente as lacunas é



  • lhe a; cuja; em; no qual.


  • à uma; à qual; a; em que.


  • uma; cuja; em o; na qual.


  • a uma; em que; a; que.


  • a; na qual; no; em que.






  1. Considerando a significação das palavras destacadas no seguinte período, escolher a opção que relaciona respectivamente seus sinônimos, grafados corretamente. 




É ela que aponta para a pequena brecha por onde o sucesso pode surgir, é ela que mantém em pé a crença numa outra vida. 



  • sinaliza; fresta; hirta; convicção.


  • sinalisa; festra; irta; convicção.


  • sinaliza; fresta; hirta; convicsão.


  • sinaliza; fresta; irta; convicção.


  • sinalisa; fresta; hirta; convixão. 






  1. Assinale a opção em que a modificação da frase entre parênteses resulta em concordância que obedece à norma culta: 






  • (Essa força poderia chamar-se esperança) Essas forças poderiam chamarem-se esperanças.


  • (Tem de ser uma imaginação exigente) Tem de ser imaginações exigentes.


  • (Sonhar apenas, portanto, não serve) Os sonhos apenas, portanto, não serve.


  • (… essa realidade manca e sufocante que precisa ser mudada) … essas realidades mancas e sufocantes que precisam ser mudadas.


  • (Essa força talvez pudesse ser chamada, também, de força do sonho) Essas forças talvez pudessem serem chamadas, também, de forças dos sonhos.






  1. No 5º parágrafo, a que elemento específico do texto o pronome ela se refere?






  • Esperança


  • Força do sonho


  • Imaginação


  • Imaginação exigente


  • Imaginação utópica






  1. Ao substituir as expressões grifadas pelas que estão entre parênteses e mantendo o mesmo sentido, nos seguintes trechos:




 

I. Escapa ao nosso controle, impõe-se a nós tanto quanto se insinua (fiscalização).

II. Mas a imaginação necessária à execução daquilo que deve vir a existir (cumprimento).

III. [...] aquele que se alimenta apenas da vontade subjetiva da pessoa e se volta unicamente para ser restrito campo individual (individualidade).

é correto dizer que ocorre crase em



  • I, II e III


  • somente I e II


  • somente I e III


  • somente a III


  • nenhuma das alternativas






  1. Considere o último parágrafo e, em especial, o trecho a seguir:




Explodindo os quadros minimizadores da rotina, dos hábitos circulares, é ela que, militando pelo otimismo, levanta a única hipótese capaz de nos manter vivos: mudar de vida.

Agora aponte a alternativa em que está correta a análise sintática das orações em destaque no referido trecho.



  • Oração subordinada adjetiva reduzida de gerúndio; Oração subordinada substantiva apositiva.


  • Oração subordinada adverbial condicional; Oração subordinada adjetiva explicativa.


  • Oração subordinada substantiva desenvolvida; Oração coordenada assindética.


  • Oração subordinada adverbial consecutiva; Oração subordinada adjetiva restritiva.


  • Nenhuma das alternativas.






  1. “_________ é uma comunicação escrita emanada de uma autoridade, em que se informa sobre qualquer assunto de ordem administrativa, ou se baixa uma ordem. Sua finalidade é o tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração Pública entre si e também com particulares”. (MEDEIROS: 2000, p. 162)




O tipo de Correspondência Administrativa que preenche a lacuna do conceito acima é



  • memorando


  • procuração


  • requerimento


  • ofício


  • portaria




 

Gabarito: COMPEC - CONCURSO 2007 -  Educação Física 

1 - B

2 - C

3 - B

4 - D

5 - A

6 - D

7 - E

8 - C

9 - A

10 - D

Relacionadas