sábado, 04 de abril de 2020
Geral
Compartilhar:

Aposentados recebem 1ª parcela no 13º; saiba a melhor forma de gastar o dinheiro

Alyf Santos com assessoria / 17 de agosto de 2016
Foto: Divulgação
Os mais de 28 milhões de aposentados pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) receberão a primeira parcela do 13º salário a partir da próxima quinta-feira (25). Em meio à recessão econômica, poupar a “grana” e usar de forma correta é a melhor opção. E, de acordo com especialistas, apressar o uso do benefício para quitar dívidas não é a melhor maneira de agir. O que vale para esses casos é tentar renegociar com os credores, visando quitar o débito à vista ou em parcelas que caibam no bolso.

O primeiro passo é elaborar uma estratégia para sair dessa situação, identificando todos os compromissos financeiros. Segundo o mestre em educação financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin) e da DSOP Educação Financeira, Reinaldo Domingos, para ter uma boa situação financeira hoje e no futuro é preciso de comportamentos saudáveis em relação ao uso do dinheiro. Neste período de crise econômica é crucial conhecer sua verdadeira situação financeira.

“Algo imprescindível é que a pessoa tenha sonhos. Ao estabelecer pelo menos três, um a ser realizado em curto prazo (até um ano), outro em médio (entre um e dez anos) e outro em longo prazo (acima de dez anos), a pessoa consegue lidar com as finanças de forma consciente, evitando desperdícios e eliminando gastos supérfluos, para conseguir poupar para conquistar aquilo que verdadeiramente deseja”, informa Reinaldo, assegurando que as dívidas em atraso precisam ser verificadas para saber quais deverão ser pagas com prioridade.

Para não correr o risco de não conseguir pagar a renegociação no futuro, Reginaldo Domingos, alerta que qualquer ação de pagamento precisa ser pensada e fazer parte de um planejamento. “Paralelo a renegociação, é crucial fazer um diagnóstico de sua vida financeira para compreender de que forma seu dinheiro está sendo gasto e então mudar hábitos e comportamentos que levaram a inadimplência em primeiro lugar”, disse.

Quem não tem dividas, mas não poupa dinheiro pode achar que está em uma situação tranquila, porém na verdade encontra-se em uma fase preocupante. De acordo com o mestre em educação financeira, muitas pessoas não sabem para onde está indo o seu dinheiro. “Muitas pessoas têm a sensação de não saber para onde está indo o seu dinheiro, portanto fazer um diagnóstico financeiro honesto, anotando todos os gastos que tem por trinta dias, inclusive os pequenos, é muito importante para compreender e mudar seus hábitos e comportamentos”,

Independente de sua situação financeira aproveite a oportunidade para:



  • Fazer um diagnóstico financeiro e saber exatamente o quanto você ganha e onde o seu dinheiro está sendo gasto. Anote durante 30 dias tudo aquilo que consome, incluindo despesas pequenas e supérfluas. Assim, conhecerá seu perfil financeiro e saberá em quais pontos pode melhorar para levar uma vida de realização de sonhos;


  • Estabeleça pelo menos três sonhos: um a ser conquistado em curto prazo, outro em médio e outro em longo. Procure saber quanto custará para conquistar cada um dos seus objetivos e defina o quanto será preciso poupar mensalmente para realizá-los. Os sonhos de curto prazo se realizam em até um ano, os de médio entre um e dez anos, e os de longo acima de dez anos;


  • Com os sonhos estabelecidos, procure poupar dinheiro para realiza-los o quanto antes. Elimine gastos desnecessários e supérfluos e prefira pagar à vista para conseguir descontos e direcionar os valores economizados para a poupança dos sonhos. Além de ser uma pessoa realizada, assim você também terá boa saúde financeira, baseada em hábitos de consumo sustentáveis.


  • Invista o valor poupado de acordo com o tipo de sonho que deseja realizar. Para sonhos de curto prazo, a poupança é bastante indicada. Para sonhos de médio prazo, CDB, LCI e LCA são interessantes. Para sonhos de longo prazo, considere a previdência privada, por exemplo. Os rendimentos variam de acordo com o tempo em que o dinheiro fica investido.


Relacionadas