terça, 19 de janeiro de 2021

Geral
Compartilhar:

Alagamentos e muitos prejuízos em João Pessoa após as chuvas deste domingo

Bruna Vieira / 02 de abril de 2017
Foto: Reprodução Whatsapp
Os moradores do Conjunto Esplanada, em João Pessoa acordaram com o alagamento na madrugada deste domingo. Não foi preciso chover muito para a situação se repetir. Segundo a Defesa Civil, foram 52 mm em 24 horas. A previsão é que a chuva permaneça durante toda a semana, dependendo do movimento das massas de ar vindas do oceano.

Na Rua Misael Jácome Cavalcante, por trás da Central de Polícia no Geisel, uma lagoa se formou. Mesmo horas após a chuva ter parado, a água permanecia empossada, dificultando o acesso dos moradores às residências.

Esse cenário se repetiu em outros pontos da cidade. Houve chuva em outros municípios da Paraíba. Nas redes sociais, as pessoas compartilharam informações de cheia no rio da Farinha, em Cacimba de Areia, que abastece a barragem da Farinha, em Patos. Em Monteiro, o açude público sangrou.

Alagamento na madrugada

A situação mais crítica foi no Ernani Sátiro. Na Rua Lourenço César, Conjunto Esplanada, após a água escoar restou a lama para limpar e os prejuízos a contabilizar dos moradores. A comerciante Ozanete Pereira mostrou a marca da água na parede de cerca de 1m de altura. “Começou a chover 4h, quando acordamos já estava tudo alagado. Moro no andar de cima, embaixo tenho um brechó. O micro system queimou e a porta está acabada. O curioso é que a enchente daqui é só no verão: deu em janeiro, fevereiro, março

e abril. Porque a água vem com mais força. No inverno, que chove menos, ocorre menos. A rua é baixa e tudo deságua aqui, as galerias não estão entupidas, mas, não conseguem escoar tanta água”, narrou.

O filho de dona Ozanete já deixou o local com medo das enchentes. “ele morava num quitinete no meu quintal e foi embora, porque uma vez meu neto estava dormindo no colchão com o ventilador ligado e ia morrendo eletrocutado. Há 20 anos que a gente sofre, leva foto, filma e ninguém resolve.

Já perdi a esperança, porque teriam que tirar o asfalto e mudar a tubulação. A gente só fica com o prejuízo. A casa da frente, o dono levantou o nível para ver se escapa da água. Penso que está infiltrando no alicerce e tenho medo é de desabar, mas. Não tenho para onde ir. Assim que para de chover, a água desaparece, fica a lama. O vizinho tem uma oficina e perdeu compressor e equipamentos. A gente fica ilhado, sem poder trabalhar, estudar. Quem está dentro não sai e quem está fora não entra”, contou a comerciante.

Enchente causa êxodo

Na Rua Carlos Cavalcante de Arruda, as casas estão sendo abandonadas pelos moradores. “Foram 36 anos de luta e há dois anos deixei minha casa boa, grande, para pagar aluguel e nem posso alugá-la também. Já perdi tudo, várias vezes. Minha irmã também foi embora, paga aluguel sem poder. Quando chove não durmo e venho olhar o estrago na casa. Até água de esgoto vem junto, sobe pelo ralo. Já construí batente em todas as portas e não adianta. Tinha um idoso quase cego na rua que também foi embora”, lamentou a dona de casa Iranilde da Silva.

“Há 12 ano moro aqui, já vi o desespero de muita gente. Minha garagem alagou. Meu pai que mora embaixo nem vem quando chove. Eu fico logo nervosa, com criança pequena. Tenho três filhos, é um corre-corre só, já perdi tudo. E o pior que sempre acontece de noite”, contou a moradora Daniela de Almeida.

Chuva permanece

De acordo com o coordenador da Defesa Civil de João Pessoa, Noé Estrela, deverá chover durante toda a semana. “Há 80% de possibilidade de pancada de chuva. Terça diminui e depois volta. A semana inteira será esse vai e volta. O ponto em que mais choveu foi na região do Cuiá e o único chamado que tivemos foi o alagamento no Conjunto Esplanada na rede de galerias. Há um projeto de ampliação para a área. Para essa época, está dentro do esperado, já está praticamente chegando o inverno. No litoral há uma característica diferenciada, às vezes vem antecipado e às vezes demora até o fim de maio. Esse ano já teve uma situação de chuva acima da média e abril já começou chovendo, pode continuar. Não temos previsão fechada ainda”, informou.

Noé explicou o que está ocasionando as chuvas. “Há muitas nuvens se formando no oceano, não só em João Pessoa, mas, em todo o Litoral. Pode entrar em Cabedelo mais à frente, dependendo da posição dos ventos. Não sabemos se vem para cá. As áreas próximas dos rios são que mais dão cuidados, como o São José. Rio e barreira. Já retiramos mais de 200 famílias de lá. No Padre Zé, ano passado fizemos limpeza no rio e deu uma melhorada, possa ser que com a maré alta ainda cause alagamento”, destacou.

Relacionadas